Brasileiro assume Direitos Humanos da ONU

O brasileiro Sérgio Vieira de Mello assume, na quinta-feira, um dos postos de maior prestígio dentro da Organização das Nações Unidas (ONU): o Alto Comissariado de Direitos Humanos, com sede em Genebra. Vieira de Mello, funcionário de carreira da ONU desde 1969, substituirá a irlandesa Mary Robinson e terá um mandato de cinco anos.O brasileiro, que já atuou como administrador da ONU no Timor Leste por dois anos, assume o comando do Alto Comissariado em um dos períodos mais difíceis para a proteção dos direitos humanos no mundo.Organizações não-governamentais (ONGs) apontam que governos de todo o mundo têm usado a luta contra o terrorismo como uma desculpa para violar regras básicas dos direitos humanos. De fato, esse teria sido um dos motivos que acabou obrigando a atual comissária Mary Robinson a não se candidatar a um novo mandato em Genebra.Ao criticar a forma com que alguns governos teriam usado o terrorismo para legitimar outras ações, a irlandesa acabou gerando a desconfiança dos Estados Unidos, que não aceitaram que um organismo internacional fizesse críticas a sua operação militar após os atentados terroristas de 11 de setembro.Washington, assim, deu sinais claros de que não aceitaria a reeleição de Robinson, apesar do apoio da maioria dos membros da comunidade internacional, inclusive do governo brasileiro.Vieira de Mello, portanto, surgiu como o nome de consenso entre os Estados Unidos, Europa e países em desenvolvimento. Além disso, as credenciais do brasileiro não deixam dúvidas de seu compromisso com a ONU. Além de administrador da ONU no Timor, Vieira de Mello serviu no Líbano e em Kosovo.O brasileiro, de 54 anos, afirmou à Agência Estado há cerca de um mês, que atuará de forma independente como defensor dos direitos humanos no mundo e que, apesar da pressão que sofrerá, tentará evitar um choque com as grandes potências que, segundo ele, teria "conseqüências dramáticas".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.