Brasileiro 'bom samaritano' vira herói na China

Oliveira, de 27 anos, ganhou recompensa por dar exemplo e ajudar mulher que estava sendo roubada

CLÁUDIA TREVISAN, CORRESPONDENTE / PEQUIM, O Estado de S.Paulo

08 Maio 2012 | 03h04

O brasileiro Mozer Rhian Oliveira, de 27 anos, está no centro do mais recente caso de heroísmo que levou os chineses a questionar por que há poucos "bons samaritanos" no país. Na sexta-feira, o gaúcho impediu que uma chinesa fosse furtada na rua, mas atraiu a fúria do ladrão e seus comparsas, que o agrediram enquanto cerca de 50 pessoas olhavam impassíveis, sem tentar ajudá-lo.

Oliveira levou 15 pontos na testa e foi recompensado pelo governo com 50 mil yuans (R$ 15,2 mil), como parte da campanha oficial que tenta inspirar os chineses a praticar boas ações. O país vive uma crise de consciência desde outubro, quando uma menina de 2 anos, Yueyue, foi atropelada duas vezes em Foshan e não recebeu socorro de nenhuma das 18 pessoas que passaram pelo local. A criança foi levada ao hospital depois que uma catadora de lixo a retirou da rua e encontrou sua mãe. Mas ela morreu alguns dias mais tarde.

Na sexta-feira à noite o brasileiro atravessava a rua na faixa de pedestres quando viu o ladrão com a mão dentro da bolsa de uma mulher, identificada como Zhu. Oliveira bateu nas costas do homem com seu guarda-chuva (fechado). O ladrão reagiu e logo dois comparsas apareceram e o atingiram no braço com a fivela de um cinto de segurança.

O gaúcho correu para a portaria do prédio onde trabalha e pela qual passa ao menos quatro vezes ao dia. Quando se abaixou para pegar uma placa na tentativa de se proteger, foi atingido na testa por um barra de ferro. A cena foi assistida por várias pessoas que o conhecem, entre elas o guarda do prédio, mas ninguém veio a seu socorro. As agressões só terminaram quando os ladrões viram sua cabeça sangrando e fugiram.

O ato heroico transformou Oliveira em uma celebridade na cidade de Dongguan, na província sulista de Guangdong (Cantão), que concentra a maior comunidade de brasileiros do país, quase todos trabalhando na indústria calçadista.

Ontem, ele recebeu a visita de 20 oficiais dos governos municipal e provincial e foi agraciado com uma placa de honra ao mérito, além de receber a recompensa em dinheiro. Também concedeu entrevistas à imprensa local. "Os representantes do governo me disseram que o povo chinês deve seguir o exemplo dos estrangeiros e também ajudar o próximo", disse Oliveira ao Estado.

Dias depois do atropelamento da menina de 2 anos, uma uruguaia atirou-se no Lago Oeste da cidade de Hangzhou para salvar uma chinesa que se afogava, enquanto os turistas locais tiravam fotos da cena, sem ajudá-la. Em março, um homem estrangeiro foi a única pessoa a socorrer uma mulher no aeroporto de Pudong, em Xangai, depois de ela ter sido esfaqueada pelo próprio filho.

No clima de crise moral, até atos banais como a da mulher ocidental que ajudou um chinês caído na rua em Xian ganharam destaque na internet chinesa. Milhões de comentários feitos online desde o caso de Yueyue criticam omissão dos chineses diante de problemas alheios e questionam as razões da apatia.

Alguns apontam o fato de que os "bons samaritanos" podem ser responsabilizados pelo que vier a ocorrer com a vítima e citam o infame precedente de uma decisão dada por um juiz na cidade de Nanquim em 2006. O episódio envolveu um homem chamado Peng Yu, que socorreu e levou ao hospital uma mulher idosa que havia caído na rua. Dias depois a família o acusou de ter provocado o acidente e pediu uma indenização. O juiz responsável pelo caso o condenou, com um argumento que justifica a lógica da omissão: "Peng deve ser culpado. Do contrário, por que ele estaria disposto a ajudar?". A decisão foi revista depois da enorme indignação popular que provocou, mas Peng ainda foi obrigado a pagar 10% das despesas hospitalares da mulher.

A escritora Lijia Zhang, autora do livro A Garota da Fábrica de Mísseis, acredita que a indiferença tem raízes mais profundas. "Na nossa cultura, há uma ausência de disposição de mostrar compaixão por estranhos", escreveu em seu blog após o caso de Yueyue. "Nós somos educados para mostrar bondade às pessoas de nossa rede de guanxi, parentes, amigos e sócios, mas não particularmente a estranhos, especialmente se tal bondade puder potencialmente afetar seus interesses", ressaltou.

Os oficias que o visitaram ontem perguntaram a Oliveira por que ele agiu para impedir o furto. "Eu disse que sou cristão e acredito no amor ao próximo. Além disso, gostaria que alguém ajudasse minha mãe e minha irmã caso enfrentassem a mesma situação", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.