OAS/Divulgação
OAS/Divulgação

Brasileiro chefiará investigações da ONU na Síria

Entidade acredita que diplomacia brasileira seja um dos poucos canais ainda abertos com Bashar al-Assad

Jamil Chade, de O Estado de S. Paulo

12 Setembro 2011 | 15h28

Atualizado às 17h26

 

GENEBRA - O brasileiro Paulo Sérgio Pinheiro foi escolhido nesta segunda-feira, 12, pela Organização das Nações Unidas (ONU), para chefiar um grupo de especialistas que investigará as violações de direitos humanos na repressão conduzida pelo governo da Síria contra os manifestantes pró-democracia no país.

 

Veja também:

linkONU: repressão matou ao menos 2,6 mil

linkSíria oferece cooperação nuclear, diz AIEA

especialESPECIAL: A revolta que abalou o Oriente Médio

 

O grupo investigará supostos abusos cometidos pelo governo do presidente Bashar al-Assad, que enfrenta desde março uma revolta contra seu regime autocrático, o que inclui possíveis crimes contra a humanidade, como execuções e uso excessivo de força. As conclusões deverão ser entregues à ONU no fim de novembro e será elaborado também pelo turco Yakin Erturk e pela americana Karen Abu Zeid.

 

A esperança da ONU é que, com um brasileiro liderando o processo, o governo sírio finalmente abra as portas do país para a entidade, que até hoje foi impedida de entrar na Síria.

 

Papel de mediador

 

O Brasil tenta desempenhar um papel de mediador para uma solução negociada para a crise na Síria. O país se recusa a votar sanções e diplomatas brasileiros chegaram a ser recebidos por Assad há poucas semanas. No encontro, o Brasil insistiu sobre a necessidade de receber a missão da ONU, o que Damasco rejeitava por argumentar que se tratava de um conflito interno.

 

Por ter um acesso relativamente garantido com Assad, a diplomacia brasileira é considerada como um dos poucos canais ainda abertos com o regime sírio. A escolha de Pinheiro para liderar a missão, portanto, não ocorre por acaso. Fontes na entidade disseram ao estadão.com.br que a decisão foi tomada justamente pensando na boa relação entre Brasil e Síria.

 

Pinheiro havia sido ministro de Direitos Humanos do governo de Fernando Henrique Cardoso, liderou por anos os trabalhos da ONU sobre Mianmar e hoje é um dos que defende uma comissão da Verdade no Brasil.

 

Essa é a segunda vez que a ONU cria uma comissão de inquérito sobre a Síria. Na primeira ocasião, em março, o grupo concluiu que 2,6 mil pessoas haviam sido vitimas da violência. Mas a comissão jamais foi autorizada a entrar no país.

 

Com agências

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.