Brasileiro condenado à morte faz novo pedido de clemência

A advogada do brasileiro Marco Archer Moreira, condenado à morte por tráfico de drogas na Indonésia, deu entrada em novo pedido de clemência. Junto com o novo pedido, foi anexada a carta enviada anteriormente pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao presidente da Indonésia, Susilo Bambang Yudhoyono, na qual ele pede que haja "comutação de pena", para algo como prisão perpétua, já que no Brasil não há pena de morte. Ainda não foi marcada uma data para a execução do brasileiro.O presidente Lula já fez dois pedidos de clemência ao governo indonésio. O primeiro em março de 2005 e o segundo em janeiro de 2006. Pedido semelhante foi feito no âmbito do Judiciário. Não há confirmação de que ele possa fazer um terceiro pedido.O assessor internacional do Planalto, Marco Aurélio Garcia, disse nesta quarta-feira que o pedido apresentado ao governo indonésio pelo Brasil seguiu apenas "um critério humanitário", sem entrar em considerações sobre o crime cometido pelo brasileiro. "O Brasil não tem pena de morte e por isso fizemos o pedido de clemência", afirmou o assessor de Lula.Em nota oficial, na semana passada, o Itamaraty informou que o presidente Lula continua a acompanhar atentamente o assunto e determinou que se examine a viabilidade da adoção de medidas adicionais, que estão sendo conduzidas pela advogada de Marco Archer, tendo em vista a possibilidade de apresentação de novo pedido de clemência.Todas as comunicações do governo brasileiro enfatizaram que, embora fosse reconhecida a gravidade do crime cometido por Marco Archer, como a pena de morte não existe no Direito brasileiro, há a preocupação de que a sua aplicação a um compatriota causaria enorme consternação na opinião pública nacional.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.