Brasileiro condenado na Indonésia poderá recorrer

O brasileiro Marco Archer Cardoso Moreira, de 44 anos, condenado à morte na Indonésia, sob acusação de narcotráfico, ainda pode recorrer ao Supremo Tribunal do país, segundo o ministro-conselheiro José Soares, que está à frente da embaixada do Brasil em Jacarta. Nesta quinta-feira, o presidente da Indonésia, Bambang Yudhoyono, negou o pedido de clemência do brasileiro, que foi preso em 2003 pelo porte de 13,4 kg de cocaína.A droga foi encontrada dentro de seu equipamento de asa-delta. Segundo José Soares, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva enviou duas cartas ao mandatário da Indonésia reforçando o pedido de clemência do brasileiro.FuzilamentoSoares vê como uma "possibilidade distante" a execução da sentença do brasileiro, que seria morto a tiros por um pelotão de fuzilamento."Existem cerca de outros 30 presos nessa mesma situação, sendo que alguns foram condenados até dez anos antes do brasileiro. Imaginamos que esse caso não teria nenhuma razão especial para saltar os outros", disse o embaixador.Além de Moreira, outros dois brasileiros estão presos na Indonésia acusados de tráfico de drogas. Um deles cumpre pena de 11 anos de prisão, enquanto o outro enfrenta uma situação similar à de Moreira. Ele foi condenado à morte e perdeu na primeira instância da justiça indonésia o pedido de revisão da pena. O caso ainda passará para a segunda instância.Moreira era instrutor de asa-delta e de pára-quedas no Rio de Janeiro e freqüentemente viajava para Bali, na Indonésia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.