Brasileiro é candidato a comandar ajuda da ONU no Iraque

O Alto Comissário da ONU para Direitos Humanos, Sérgio Vieira de Mello, pode ser o indicado para coordenar a ajuda humanitária ao Iraque prevista por um projeto de resolução anglo-americano que será apresentadoamanhã por Washington no Conselho de Segurança (CS),disseram fontes das Nações Unidas. A resolução também se refere a uma vigilânciainternacional sobre o petróleo iraquiano - uma brecha através daqual França e Rússia teriam acesso ao negócio e concordariam emaprovar a resolução -, em troca do fim imediato do embargo. Comesta resolução, os EUA prevêem a suspensão das sançõeseconômicas contra o Iraque vigentes desde que Bagdá invadiu oKuwait em agosto de 1990. Fontes da ONU disseram que o cargo para o qual teriasido cogitado o nome de Vieira de Mello, um diplomata brasileirocom quase duas décadas de experiência na divisão de AssuntosPolíticos da ONU, estaria baseado em Bagdá. A tarefa de coordenar a missão em nome da ONU, segundo oprojeto a ser levado por Washington à ONU, daria ênfase aotrabalho humanitário, de reconstrução e de formação de um novogoverno democrático no Iraque. O próprio secretário-geral, Kofi Annan, forneceu àsautoridades americanas nas semanas anteriores à invasão doIraque os detalhes do modelo de missão que a ONU levou ao TimorLeste em 2000, em preparação para a via democrática, ao final deum período colonial português seguido de 25 anos de submissão dailha à Indonésia. No entanto, Moscou e Paris não teriam chegado até agoraa um compromisso com Washington e Londres sobre o projeto deresolução que deverá ser apresentado nas próximas horas peranteo Conselho de Segurança. O secretário de Estado Colin Powell se reuniu naquinta-feira em Nova York com Annan e vários embaixadores do CS,e em seguida disse à imprensa que o projeto de resoluçãoproposto por Washington "contempla o futuro, porque reunirá acomunidade internacional com o objetivo de ajudar o povoiraquiano a viver uma vida melhor e propõe que, com este fim, assanções devem ser abolidas".Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.