Brasileiro é premiado na Suécia com o ´Nobel Alternativo´

O brasileiro Chico Whitaker Ferreira foi premiado nesta sexta-feira na cerimônia de entrega do Right Livelihood Award, conhecido como ´Nobel Alternativo´. Whitaker obteve o prêmio honorífico - que não tem retribuição econômica - por seu trabalho "em favor da justiça social, que fortaleceu a democracia no Brasil", e por ser um dos incentivadores do Fórum Social Mundial.Em seu discurso no Parlamento sueco, Ferreira defendeu a via abertapelo Fórum Social, e contrapôs a lógica da cooperação à da dominação. Já Fernando Rendón, diretor do Festival Internacional de Poesia de Medellín, pediu ao governo colombiano que aposte em uma solução negociada para o conflito no seu país.Rendón culpou os Estados Unidos por fomentarem uma "guerra fratricida" na Colômbia e pediu a solidariedade da comunidade internacional para promover, tanto no governo quanto na guerrilha, o início da troca de prisioneiros por seqüestrados, para assim começar um processo de diálogo."Queremos que o governo não seja arrogante e abandone a pretensão de continuar a guerra", afirmou à Efe no intervalo da cerimônia Rendón, que acredita que o prêmio confirma que o caminho empreendido pelo festival criado em 1991 é correto.Em seu discurso, o diretor do festival disse que a Colômbia é um país "militarizado e paramilitarizado", que não conhece a paz, e no qual existe uma "impunidade total". Ele criticou o governo por triplicar a verba destinada a gastos militares, e por aumentar os impostos sobre bens culturais, como os livros.O Right Livelihood Award, como realmente é chamado o prêmio, reconhece que o Festival de Medellín ajudou a construir a paz em uma das cidades mais violentas do mundo, mostrando como a criatividade e a beleza "podem florescer e superar inclusive o medo e a violência". Durante suas 16 edições, 747 poetas de 132 países leram seus poemas em mais de 60 idiomas e dialetos, totalizando 906 leituras públicas em 34 cidades colombianas.Mais de vinte manifestantes de grupos colombianos residentes na Suécia se concentraram em frente ao Parlamento antes do início da cerimônia, para pedir que o Governo sueco não apóie as negociações do governo de Álvaro Uribe com os grupos paramilitares, que consideram uma "farsa".Também receberam o prêmio, considerado um passo prévio ao Nobel da Paz, o ativista americano Daniel Ellsberg, por sua luta a favor da paz na Guerra do Vietnã, e a indiana Ruth Manorama, defensora dos direitos das mulheres "dalit", casta "intocável" nesse país.O Nobel Alternativo concede dois milhões de coroas suecas (US$ 275 mil), com a exceção do prêmio honorífico. O prêmio, criado em 1980 pelo escritor e ex-deputado europeu Jakob von Uexkull, já foi concedido a mais de cem pessoas de cerca de 50 países.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.