Brasileiro, espancado, quer levar a Suíça à Corte Européia

Um brasileiro vai levar o governo suíço à Corte Européia de Direitos Humanos com acusações de tortura e violações dos direitos humanos. Trata-se de Luís Felipe Lourenço que, em 1998, foi preso em Genebra, acusado de roubo de cartão de crédito.Na prisão, foi espancado por policiais e ficou paraplégico. Quatro anos depois, o governo suíço arquivou o caso, o que está levando a Anistia Internacional a preparar um processo na Corte Européia contra as autoridades de Genebra.Fratura na colunaLourenço, que hoje tem 29 anos, conta que foi espancado pelos agentes da penitenciária de Genebra, que o pressionavam para confessar o crime. Apesar de estar vivendo ilegalmente na Suíça, o brasileiro nunca havia tido uma passagem pela polícia.No mesmo dia da prisão, os agentes da polícia levaram Lourenço para o hospital, onde foi confirmada uma fratura na coluna e a paralisia de seus membros. Antes de ir para Genebra, ele era instrutor de mergulho em Parati (RJ)."Imagine se fosse um suíço no Brasil"Depois de liberado da prisão por falta de provas, sua família entrou com um processo na Justiça contra os policiais que o torturaram. O caso foi arquivado por falta de provas.Agora os advogados de Lourenço e a Anistia Internacional preparam os argumentos legais para levar o caso à Corte Européia."Imagine se um caso como esse ocorresse com um suíço que estivesse no Brasil", questiona Lourenço, que hoje é casado com uma suíça. Os policiais que o torturaram continuam trabalhando normalmente, e o governo suíço se recusa a comentar o caso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.