Brasileiro integrará comissão de direitos humanos da ONU no Líbano

O diplomata brasileiro João Clemente Baena Soares confirmou nesta sexta-feira ao Portal Estadão.com.br que foi convidado pela presidência do Conselho de Direitos Humanos da ONU para integrar uma comissão que terá como missão examinar questões relativas aos direitos humanos no Líbano.O grupo, formado ainda por um juiz da Tanzânia e por um professor da Grécia, irá avaliar também assuntos relativos ao meio ambiente e ao uso de armas não autorizadas no país durante os ataques israelenses. Segundo declarações recentes do subsecretário-geral de Assuntos Humanitários da ONU, Jan Egeland, Israel fez uso "imoral" de bombas de fragmentação - artefatos que contêm materiais explosivos de menor tamanho e que muitas vezes não são detonados, ficando ativos em terra.Israel reagiu na quinta-feira aos comentários, classificando a crítica como "hipócritas", uma vez que essas bombas não estão proibidas para uso contra alvos militares.Ainda não há uma data definida para a ida da missão à Beirute, que primeiro irá se reunir na ONU em Genebra a fim de tratar das diretrizes para o trabalho. Soares é paraense. Foi diplomata pelo Itamaraty e hoje, aposentado pela instituição, cumpre mandato na comissão de direito internacional da ONU. na década de 80 ele foi secretário-geral da OEA (Organização dos Estados Americanos).Com experiência em áreas de conflito, o diplomata encara a missão como "desafio importante". "Nesse momento, não há ações bélicas no Líbano, mas não sei como vai estar quando eu chegar. O grande desafio da diplomacia é que a situação internacional é muito volátil. Não se pode prever nada."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.