Brasileiro participa da guerrilha colombiana

Um jovem brasileiro, de codinome "Isauro" e aparentando ter 18 anos, faz parte da equipe de guerrilheiros que garante a segurança do presidente Andrés Pastrana e do chefe guerrilheiro Manuel Marulanda durante as negociações de paz. "Isauro" explicou que se uniu ao mais poderoso e antigo grupo rebelde da Colômbia para fugir da exploração que sofria no Brasil."Vim para a guerrilha porque estava trabalhando nas minas", disse "Isauro" à Associated Press, num bom espanhol. Ele afirmou que está há pouco mais de dois meses entre os rebeldes colombianos. O jovem usava uma boina com o logotipo das Farc, um emblema com o rosto do revolucionário Ernesto "Che" Guevara e um fuzil AK-47.Sua função atual é a de garantir a segurança do presidente colombiano, que pernoitou em San Vicente del Caguán, a cerca de 300 km ao sul de Bogotá, a fim de dar prosseguimento hoje nas conversações com Marulanda visando a retomar o processo de paz.Muito sorridente diante do assédio dos repórteres, o jovem moreno e delgado com um bigode de adolescente afirmou que entre os guerrilheiros se joga futebol, e "nós os brasileiros somos os melhores".As Farc contam atualmente com cerca de 16.500 homens em armas, segundo estimativas do Ministério da Defesa.Apesar de a presença de estrangeiros não ser comum, surgiram notícias dando conta que além do brasileiro fazem parte do contingente guerrilheiro um venezuelano e dois equatorianos.Durante as guerras civis na América Central nos anos 80 foi comum estrangeiros com ideais revolucionários engrossarem as fileiras de sandinistas na Nicarágua ou da guerrilha salvadorenha."Como o conflito na Colômbia intensificou-se nos anos 90, esse fenômeno não ocorreu aqui", explicou um comandante das Farc, apelidado de "Fernando".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.