Brasileiro pode ser condenado a 30 anos na Espanha

A Promotoria pediu nesta sexta 30 anos de prisão para o brasileiro Marcos Antônio da Silva, de 30 anos, acusado de violar e assassinar a jovem SandraAlonso em 2004 e cujo corpo supostamente abandonou em um monte da cidade de Vigo, na região noroeste da Espanha.O fato aconteceu na madrugada de 18 de setembro de 2004, quando o acusado e a menina, que então tinha 23 anos, saíram de um bar no qual tinham bebido com amigos e se dirigiram para o domicílio do brasileiro, onde nesse momento não havia ninguém, pois a esposa de Marcos Antonio estava trabalhando em uma clínica.A vítima e o acusado se conheciam pela esposa deste, já que ambas tinham trabalhado juntas em um restaurante. Segundo pessoas próximas à vítima, o acusado teria tentado manter um relacionamento sentimental com ela, e a jovem não teria aceitado.Uma vez em seu domicílio, o acusado supostamente propôs à jovem manter relações sexuais, e Sandra teria se negado prontamente. Logo, Marcos Antonio teria recorrido ao uso da força e a estuprado. Depois, supostamente lhe deu um forte golpe na cabeça e a agarrou pelo pescoço, causando sua morte por asfixia.O relatório da Promotoria aponta que o acusado escondeu o corpo da jovem em um dos quartos de sua casa e limpou o sangue e outros vestígios. Horas depois, teria ido buscar sua esposa na saída do trabalho e ambos aparentemente retornaram ao domicílio. Quando essa noite a esposa de Marcos Antônio da Silva deixou o local para voltar a trabalhar, o acusado teria pedido emprestado o carro a um amigo, em cujo interior poderia ter colocado o corpo da jovem. Aparentemente foi para uma zona desabitada em um monte.Em um lugar de pouco movimento, próximo ao Instituto Oceanográfico em que o brasileiro trabalhava temporariamente em tarefas de manutenção, ele teria tirado o corpo do veículo, que supostamente tapou com uma lona de uma embarcação para dificultar sua descoberta. O corpo foi encontrado 21 dias depois.O relatório destaca a "absoluta frieza" de Marcos Antônio da Silva, que chegou a participar ativamente tanto da busca como das manifestações de mostras de dor dos amigos mais próximos da jovem, mantendo sua vida habitual sem levantar suspeita alguma.Por estes fatos, a Promotoria solicita uma pena de dez anos de prisão por crime contra a liberdade sexual e outros 20 por assassinato. Também pede indenização de 60 mil euros (US$ 72 mil) à mãe da vítima pelo dano moral causado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.