Brasileiro que treina seleção da Líbia pode deixar equipe

Marco Paquetá afirmou em conta no Twitter que está cada vez mais difícil seguir treinando equipe.

BBC Brasil, BBC

21 de agosto de 2011 | 14h54

O brasileiro Marco Paquetá, que treina a seleção de futebol da Líbia, disse que poderá deixar a equipe nos próximos dias.

Em sua conta no Twitter, o técnico afirmou no sábado que está ''cada vez esta mais difícil de darmos continuidade ao trabalho na seleção da Líbia, creio que nesta próxima semana teremos um conclusão''.

Paquetá, que está no Brasil desde março, também disse temer pela perspectiva de combates entre forças rebeldes, que estão se aproximando da capital líbia, Trípoli, e tropas leais ao líder do país, o coronel Muamar Khadafi.

''Após contato com Trípoli, estamos muito apreensivos os amigos, (que) estão em situação muito difícil, sem saber o que vai acontecer, muita tensão'', afirmou.

Disputa

A Líbia está participando da etapa classificatória da Copa das Nações Africana e tem uma partida prevista para o próximo dia 3 de setembro, contra Moçambique.

O jogo está marcado para ocorrer em terreno neutro, na cidade de Bamako, no Máli.

Paquetá assinou um contrato de quatro anos para treinar a Líbia em junho do ano passado, mas desde março, após a insurreição contra o regime de Muamar Khadafi, ele partiu para o Brasil, por questões de segurança.

Seus encontros com os jogadores da seleção tem se dado na Tunísia, que tem servido como sede improvisada para a realização de treinos por parte da equipe.

Desde o início da rebelião contra Khadafi, o time já realizou dois jogos, ambos contra a equipe das Ilhas Comores. Na primeira disputa, em março, a Líbia goleou os adversários por 3 a 0 e, no seguinte, em junho, empatou em 1 a 1.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
esportefuteboltreinadorequipe

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.