Brasileiros aguardam avião para deixar Benghazi, na Líbia

Há cerca de 120 brasileiros na cidade, que tem sido foco das manifestações contra Kadafi

BBC

21 de fevereiro de 2011 | 18h15

BENGHAZI - Cerca de 120 brasileiros na cidade de Benghazi, palco de protestos antigoverno na Líbia, aguardam autorização do governo líbio para que possam deixar a cidade.

 

Veja também:

mais imagens Galeria:   Veja imagens dos conflitos

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

blog Radar Global: Acompanhe os protestos na região

 

Segundo o Itamaraty, o governo líbio ainda não havia autorizado até por volta das 17h desta segunda-feira (hora de Brasília) que um avião fretado pela empresa Queiroz Galvão pousasse em Benghazi para transportar os cidadãos brasileiros, todos funcionários da construtora ou seus familiares.

 

Segundo comunicado da Queiroz Galvão, "todos estão bem, e está sendo providenciada sua transferência de Benghazi para Trípoli, capital daquele país".

 

Benghazi, segunda maior cidade da Líbia, é um dos principais focos de manifestação contra o regime do líder líbio Muamar Kadafi, e há relatos de que a cidade já estaria nas mãos dos manifestantes.

Petrobras

O Itamaraty confirmou que o embaixador do Brasil no país árabe, George Ney de Souza Fernandes, visitou os brasileiros em Benghazi e verificou que estão todos bem, ainda que um pouco preocupados. De acordo com a chancelaria brasileira, há outros cerca de 500 brasileiros na Líbia, concentrados principalmente na capital, Trípoli.

O presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, confirmou nesta segunda-feira que dez deles trabalham para a petroleira brasileira em prospecção de petróleo em áreas próximas a Trípoli. Gabrielli informou, segundo a Agência Brasil, que não foram registrados problemas com nenhum deles.

 

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.