Brasileiros escapam da tragédia na Índia

Uma chamada telefônica da Índia, feita pelo filho Leandro na manhã de domingo, tranqüilizou o funcionário público Valdemar Alves da Silva, em Ivoti, no Rio Grande do Sul, antes que ele soubesse, pelo noticiário, que o tsunami na Ásia havia atingido Chennai e deixado milhares de vítimas. Mesmo assim, Valdemar ficou impressionado quando começou a ver as imagens da tragédia e foi tomado de uma nova angústia. A apreensão só passou nesta segunda-feira, quando, em novo telefonema, o filho confirmou que tanto ele quanto a mulher, Lidiane, e um primo, Rogério, haviam escapado ilesos da fúria da onda gigante que arrasou a cidade onde vivem.No relato que fez ao pai, Leandro, que tem 24 anos e trabalha como classificador de couros num curtume, contou os momentos de pavor que viveu. Ele estava tomando café com a mulher, num hotel a 500 metros da praia, e foi surpreendido pelos gritos de uma indiana.Quando percebeu do que se tratava, a onda já estava chegando ao hotel. O casal saiu correndo pela rua e, ao sentir que poderia ser engolido pela água, decidiu escalar a parede externa de um prédio. Conseguiu ficar abrigado por três horas, até ser socorrido por um amigo indiano, que foi buscá-los numa caminhonete.Leandro é um dos cerca de 30 brasileiros, a maioria gaúchos, que vivem na cidade indiana trabalhando em empresas de curtume e calçados. Outra componente da comunidade, a empresária Maju Lamar Posser Bolzan, 45 anos, informou à Rádio Gaúcha que os brasileiros escaparam dos tsunami e estão bem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.