Brasileiros na Grã-Bretanha lideram lista de retorno voluntário

Os brasileiros que vivem na Grã-Bretanha já lideram de longe a lista de beneficiados por um programa de retorno voluntário para imigrantes irregulares oferecido pela organização inter-governamental Organização Internacional para Migração. Pelo programa, que é co-financiado pela União Européia e pela Grã-Bretanha, a organização paga a passagem de volta até a chegada do imigrante à sua cidade de origem, no chamado sistema porta a porta. Se necessário, também é oferecida assistência médica. No ano passado, 134 brasileiros que estavam na Grã-Bretanha ilegalmente retornaram ao Brasil graças ao programa. Na segunda posição ficaram os bolivianos (31), seguidos pelos albaneses (27) e jamaicanos (25). Só nos primeiros meses deste ano, 77 brasileiros já retornaram, seguidos pelos jamaicanos (20). A assessora de comunicação da organização, Gabriela Boeing, diz que o número alto de brasileiros pode ser explicado pela maior concorrência no mercado de trabalho britânico nos últimos anos. "Desde que os países do leste europeu entraram para a União Européia, está muito mais difícil para os brasileiros que estão aqui ilegalmente conseguir emprego. Essa é uma das principais razões", afirma Gabriela. O custo, em média, para cada retorno voluntário é de 1,1 mil libras (cerca de R$ 4,1 mil). Valor bem abaixo do que o governo tem de gastar para deportar um imigrante irregular - cerca de 11 mil libras. Perfil Gabriela Boeing ressalta que o perfil da maioria dos que procuram a organização é de homens solteiros que chegam com visto de estudante para trabalhar e acabam ficando depois que o visto vence. Há também casos de famílias inteiras, mas são raros, segundo a assessora. "Quem está aqui ilegalmente acaba ficando muito mais tempo (do que o planejado) por não ter dinheiro para pagar a passagem de volta", afirma Gabriela. Ela afirma que muitos brasileiros vêm de Goiânia, de Londrina e de Minas Gerais. Segundo a assessora, os brasileiros estão perdendo emprego principalmente para os poloneses, lituanos e estonianos. "São nacionalidades que pegam empregos que os brasileiros faziam e que aceitam os salários baixos, então os empregadores não contratam mais brasileiros", afirma. Os empregos disputados por brasileiros e os europeus do leste são de faxineiro de escritório e garçonete, em Londres, e postos em fábricas e fazendas fora da capital. Um lugar procurado por muitos hoje, segundo ela, é a Irlanda do Norte. O programa de retorno voluntário para imigrantes irregulares começou a ser oferecido pela organização em novembro de 2004. Antes, esse tipo de benefício só era oferecido para quem tinha o pedido de asilo no país negado. Os programas são financiados pelo Fundo Europeu para Refugiados da União Européia e parcialmente pelo Ministério do Interior da Grã-Bretanha. Quando a pessoa se inscreve, ela tem que registrar sua impressão digital. O programa não autoriza a volta de quem tem ação criminal pendente, a não ser que sejam acusações leves, como infrações de trânsito. O retorno acontece, em média, um mês depois da inscrição.

Agencia Estado,

11 Abril 2006 | 09h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.