Brasileiros no Timor buscam abrigo em embaixada

Famílias de brasileiros e timorenses estão buscando refúgio na Embaixada do Brasil no Timor Leste diante da deterioração da segurança no país. O embaixador brasileiro em Díli, Antônio de Souza e Silva, disse por telefone que as famílias de dois funcionários timorenses já estão na sede da Embaixada e outras duas famílias de brasileiros, somando sete pessoas, estavam a caminho."São famílias que moram em bairros mais pobres e onde houve tiroteio o dia todo. Elas estão num estado de nervos à flor da pele", descreveu o diplomata."Houve uma deterioração muito grande de ontem para hoje. Chegou ao ponto do governo solicitar ajuda internacional. Foi um momento sombrio", descreveu Souza e Silva.Plano de evacuaçãoUm grupo de oito missionários brasileiros também pediu ajuda na representação do governo brasileiro. Entre eles, está o paulista José Ricardo, de 26 anos, que trabalha como voluntário no Ministério do Trabalho timorense."Hoje pela manhã eu acordei com tiros próximos a minha casa. Então o mais sensato a fazer é procurar um lugar mais seguro", disse Ricardo. "Nós vamos ficar num hotel onde há mais segurança, isso tudo proporcionado pela embaixada, e, de lá, se houver necessidade de retirada do país, nós vamos sair escoltados."A Embaixada do Brasil tem um plano de evacuação conjunto com a Embaixada da Austrália. "Caso a situação exija, os australianos se encarregaram de levar todos os estrangeiros embora. São eles que vão determinar isso", afirmou Souza e Silva.A Embaixada tem recebido telefonemas de vários brasileiros que moram no país em busca de informações. São 180 no total, a maioria trabalha como assistentes sociais, juristas e professores."Tentamos acalmá-los", disse o diplomata. A instrução é que as pessoas permaneçam em suas residências. "Hoje o dia foi caótico em Díli. Pelas informações que eu tive, as forças armadas resolveram ocupar a cidade e houve confronto com a policia que está toda desmembrada", contou o embaixador."Houve um descontrole de violência em que começaram a aparecer muitos civis armados. Há muitas gangues que estão aproveitando para roubar as casas."O diplomata diz que os estrangeiros não têm sido alvo da violência no país e que os brasileiros, em particular, "gozam de muito carinho"."Do ponto de vista da segurança pessoal não há nada. O único problema é da pessoa, de repente, se ver no lugar errado e no momento errado."ExpectativaDe acordo com o ministro das Relações Exteriores timorense, José Ramos Horta, cerca de 1.000 soldados australianos estão sendo enviados para o país. Alguns começaram a chegar nesta quinta-feira.Também é esperado o reforço de soldados da Nova Zelândia, Portugal e Malásia. A expectativa é de que, com a chegada dos militares estrangeiros, a situação se acalme nos próximos dias. O Brasil não tem mais presença militar no Timor Leste. Pelas informações do Itamaraty, atualmente, estão no país apenas dois assistentes militares e cinco policias no Escritório das Nações Unidas para o Timor Leste (Unotil).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.