Reprodução/Pixabay PublicDomainPictures
Reprodução/Pixabay PublicDomainPictures

Dieta dos britânicos pode sofrer mudanças após saída da União Europeia

Alimentos importados da Espanha podem ficar escassos nos pratos britânicos depois do Brexit

Redação, O Estado de S.Paulo

21 de dezembro de 2018 | 15h06

LONDRES – Frutas e verduras procedentes da Espanha podem ficar escassas nos pratos dos britânicos, no caso de uma saída sem acordo da União Europeia, o que pode complicar o abastecimento de produtos frescos oriundos do continente.

Segundo o jornal britânico advertiu nesta sexta-feira, 21, as autoridades temem que alguns produtos frescos, como frutas e verduras produzidas na Espanha e na Holanda, possam ficar bloqueadas na fronteira, caso se multipliquem os controles, ou se a UE limitar as trocas comerciais após o Brexit, previsto para 29 de março. 

Pode-se, inclusive, pedir à população que "mude de regime alimentar" para se adaptar à eventual escassez de certos produtos.

O Brexit já levou algumas empresas a modificarem suas formas de abastecimento. Assim, as redes de restaurantes Zizzi e ASK vão substituir a mozarela italiana por uma produzida no Reino Unido, devido à preocupação com o Brexit e por questões ambientais, declarou a Azzurri, empresa proprietária de ambas as marcas, à agência de notícias britânica Press Association. 

Defensor ferrenho da saída britânica da União Europeia, o presidente da rede de pubs Wetherspoon, Tim Martin, anunciou, há alguns meses, que deixaria de vender champanhe francês em seus estabelecimentos para privilegiar bebidas fabricadas no Reino Unido, ou fora da UE. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.