Andrew Milligan / AP
Andrew Milligan / AP

Brexit dá impulso ao nacionalismo escocês

Defensores da independência da Escócia acreditam que eleição britânica oferece janela para um novo plebiscito

The Economist, O Estado de S.Paulo

15 de dezembro de 2019 | 03h00

Se a consequência mais importante das eleições no Reino Unido é a ruptura da União Europeia, a segunda mais importante é que o próprio Reino Unido talvez não sobreviva ao Brexit

O grande avanço do Partido Nacional Escocês (SNP) – que aumentou sua bancada de 35 para 48 deputados, de um total de 59 possíveis –, combinado com o crescente abismo entre a política inglesa e a escocesa, significa que as bases para outro plebiscito sobre a independência da Escócia saíram muito fortalecidas.

Para o restante do Reino Unido, a eleição foi sobre o Brexit. Mas, para o SNP, como toda a política, foi sobre a independência escocesa. Desde o plebiscito de 2014, em que o separatismo foi derrotado, o SNP vem defendendo uma nova votação. 

O novo plebiscito estimulou o movimento pró-independência e o SNP obteve uma vitória esmagadora nas eleições de 2015, embora tenham recuado um pouco em 2017. O resultado da eleição de quinta-feira reforça seu argumento.

Para Entender

O que esperar de um governo de maioria conservadora

Conheça algumas das mudanças esperadas de um governo de maioria conservadora

O mesmo acontece com a divisão cada vez mais acentuada entre a política escocesa e a do restante do país. O Partido Trabalhista, que costumava considerar a Escócia como um feudo, ficou reduzido a um único deputado escocês. Os conservadores, que avançaram na Escócia em 2017, retrocederam desta vez. Jo Swinson, a líder dos liberal-democratas, perdeu o cargo. 

Coloque tudo isso junto e os partidos que defendem a união entre Escócia e Inglaterra estão agora quase invisíveis ao norte da fronteira. Embora o SNP seja governo há 12 anos, e apesar da desilusão natural que aflige os partidos que governam há tanto tempo, os nacionalistas escoceses tiveram outro desempenho notável nas eleições de quinta-feira.

Mas a eleição foi complicada – muito mais no norte do que no sul da fronteira. A Escócia votou para permanecer na UE (62% a 38%) e o SNP prometeu ao eleitor que votar neles seria a melhor maneira de evitar o Brexit. Isso parece ter conseguido convencer muita gente a deixar de lado suas dúvidas sobre o SNP. 

Para Entender

Boris Johnson, o político que apostou no Brexit e ganhou

Embora seja um dos políticos mais populares, ele atrai fortes críticas por uma retórica populista que lhe rendeu uma comparação com Trump e uma falta de rigor que muitos denunciam como mentiras

No entanto, embora a opinião pública pareça ter caminhado levemente em direção à independência – que foi de 55% a 45%, em 2014, para cerca de 50% a 50% agora –, a Escócia permanece fortemente dividida sobre o assunto. Portanto, a grande questão para os escoceses é se o resultado da eleição é a consequência de uma votação tática para evitar o Brexit ou se representa uma mudança na opinião pública escocesa sobre seu futuro relacionamento com o restante do Reino Unido.

O SNP aposta na última alternativa e argumenta que outro plebiscito sobre independência precisa ser realizado porque os fatos nos quais as pessoas votaram em 2014 mudaram. No último plebiscito sobre a independência, um dos argumentos da campanha foi que, se a Escócia deixasse o Reino Unido, enfrentaria a incerteza de permanecer na UE. 

Agora, os escoceses sabem que, ficando no Reino Unido, enfrentarão a incerteza que o Brexit trará. Nicola Sturgeon, primeira-ministra da Escócia e líder do SNP, disse que solicitará uma permissão para outro plebiscito logo após a eleição.

Mas, por mais razoável que pareça esse argumento, o caminho para outra votação não é claro. Não cabe ao governo escocês decidir. Apenas Londres tem esse direito. E Boris Johnson já disse que não quer um plebiscito, com o argumento de que “o povo britânico e o povo da Escócia foram informados, em 2014, que o plebiscito era “um evento único” para esta geração.

No entanto, as coisas podem mudar na próxima eleição escocesa, em 2021. Alister Jack, o secretário de Estado escocês, disse, no mês passado, que “o mandato democrático para uma nova votação é uma questão para ser resolvida em 2021”. Como ele foi um dos poucos conservadores que conseguiram se eleger deputado na Escócia, sua opinião pode ter algum peso.

© 2019 THE ECONOMIST NEWSPAPER LIMITED. DIREITOS RESERVADOS. PUBLICADO SOB LICENÇA. O TEXTO ORIGINAL EM INGLÊS ESTÁ EM WWW.ECONOMIST.COM 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.