Adrian Dennis / AFP
Adrian Dennis / AFP

‘Brexit duro’ ameaça 100 mil empregos na Alemanha

Segundo estudo, os efeitos de uma saída do Reino Unido sem acordo seriam sentidos mais na área automobilística

Redação, O Estado de S.Paulo

10 Fevereiro 2019 | 16h49

BERLIM - Uma saída do Reino Unido da União Europeia sem um acordo, o chamado “Brexit duro” colocaria em risco cerca de 100 mil postos de trabalho na Alemanha, segundo uma pesquisa realizada pelo Instituto de Estudos Econômicos de Halle (leste da Alemanha) divulgada parcialmente neste domingo, 10, pela imprensa local.

“Os efeitos sobre o emprego seriam sentidos, sobretudo, em lugares onde a indústria automobilística tem grande peso”, defende o estudo.

Por isso, as regiões mais afetadas seriam Wolfsburg (norte da Alemanha, onde está a central da Volkswagen, e seus arredores, assim como Dingolfing-Landau, na Baviera, onde a BMW e seus provedores são os principais empregadores. O setor do automóvel poderia perder até 15 mil postos de trabalho.

Também outras regiões onde os principais empregadores são empresas produtoras de alta tecnologia, como Siemens, e empresas médias orientadas à exportação podem ser gravemente afetadas, segundo o estudo.

Os pesquisadores consideram que as exportações alemãs para o Reino Unido, com um Brexit sem acordo, sofrerão uma redução de 25% com repercussões para o faturamento das empresas e para os postos de trabalho.

Uma saída sem acordo poderia levar ao desaparecimento na próxima década de mais de 700 mil empregos do setor turístico, o que suporia um buraco no PIB britânico de 18,6 bilhões de libras (R$ 89,8 bilhões), segundo um relatório elaborado pela World Travel & Tourism Council. O estudo demonstrou que cerca de 308 mil empregos assentados no Reino Unido estariam em perigo, enquanto outros 399 mil estariam em outros países comunitários se não houver consenso. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.