Paulo Nunes dos Santos/The New York Times
Paulo Nunes dos Santos/The New York Times

Brexit pode passar no Parlamento com garantia para fronteira irlandesa, diz chanceler

Para Jeremy Hunt, deputados britânicos podem aceitar acordo negociado pela premiê Theresa May se a União Europeia garantir que solução emergencial sobre fronteira da Irlanda do Norte será temporária; votação ocorrerá no começo de janeiro

Redação, O Estado de S.Paulo

28 Dezembro 2018 | 14h25

LONDRES - O acordo do Brexit da primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, pode ser aprovado pelo Parlamento britânico se a União Europeia (UE) deixar claro que a solução emergencial para a fronteira da Irlanda do Norte será temporária, disse o ministro das Relações Exteriores, Jeremy Hunt, nesta sexta-feira, 28.

A solução emergencial é uma espécie de apólice de seguro criada para evitar a volta de uma fronteira física entre a Irlanda, um membro da UE, e a Irlanda do Norte, administrada por Londres, mas está se mostrando o maior obstáculo a um pacto de separação entre o Reino Unido e o bloco.

Hunt disse que o acordo da premiê pode ser aprovado pelos parlamentares se a UE deixar claro que a solução emergencial irlandesa terá um limite de tempo - críticos temem que a medida prenda o Reino Unido a uma união aduaneira com a UE indefinidamente, e líderes europeus disseram que não renegociarão o tratado.

“Se for temporária, o Parlamento consegue aceitá-la”, disse Hunt à rádio BBC. “Podemos aprová-lo (o acordo), com certeza podemos”.

May suspendeu uma votação sobre seu acordo de desfiliação no início deste mês por admitir que o Parlamento o rejeitaria. Os parlamentares devem debater o acordo novamente no começo de 2019 e votá-lo na semana que começa em 14 de janeiro.

A legislatura britânica está profundamente dividida, já que apoiadores e opositores do Brexit rechaçam o plano de May, que visa manter laços estreitos com a UE. 

O Reino Unido deve deixar o bloco em 29 de março, e o impasse elevou as chances de um Brexit sem acordo e aumentou o coro a favor de um segundo referendo.

Se o acordo de May fracassar, até os principais ministros têm dúvida do que deveria acontecer. Alguns apontam que outro referendo deveria ser cogitado, enquanto outros, incluindo Hunt, preferem um Brexit sem acordo “negociado”. A própria May disse, no entanto, que nenhuma das opções é viável.

Jeremy Corbyn, líder do opositor Partido Trabalhista, disse que ela deveria reconvocar o Parlamento mais cedo para permitir uma votação sobre seu acordo do Brexit, e alertou que se trata de “quando, não se” seu partido tentará forçar uma eleição propondo uma moção de desconfiança do governo.

Os parlamentares não devem retornar antes de 7 de janeiro, e Corbyn disse que o governo está usando o intervalo como uma artimanha para pressionar o Parlamento a aceitar seu pacto ou correr o risco de um Brexit sem acordo.

“O que suspeito é que é uma manobra completamente cínica para acabar com o prazo e oferecer aos parlamentares a escolha entre a cruz e a espada”, afirmou. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.