Brigadas palestinas ameaçam retomar ataques a Israel

As Brigadas dos Mártires de al-Quds ameaçaram nesta quarta-feira retomar os ataques contra Israel em respostas às violações do cessar-fogo. Segundo a rádio pública israelense, os milicianos poderão voltar a disparar seus foguetes Qassam da faixa autônoma de Gaza, de onde o Exército se retirou quando Israel aceitou o cessar-fogo proposto pelas milícias há quase duas semanas. As Brigadas reclamam que o Exército israelense continua suas operações na Cisjordânia ocupada. Esta madrugada, as tropas detiveram 29 palestinos, segundo a emissora. Os palestinos afirmam que o cessar-fogo deve se estender à Cisjordânia, separada da Faixa de Gaza pelo sul de Israel. O Gabinete de Segurança do primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, debateu a possibilidade de aceitar também na Cisjordânia a trégua ou "tahadia" ("período de calma"). Mas as autoridadesmilitares são contra. Elas temem que os palestinos retomem seus ataques suicidas a cidades israelenses. As detenções diárias de milicianos e ativistas palestinos na Cisjordânia, segundo fontes militares, têm reduzido ao mínimo a infiltração de suicidas no território israelense. Houve apenas um caso este ano. No entanto, o gabinete decidiu mandar as Forças Armadas "atuarem com cuidado e sem causar incidentes graves", segundo a imprensa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.