Britânica pega 15 dias de prisão no caso do 'Ursinho Maomé'

Professora é acusada de ofender o Islã por permitir que alunos chamassem de Maomé um ursinho de pelúcia

Efe,

29 de novembro de 2007 | 16h57

O tribunal sudanês que julga uma professora britânica por supostas ofensas ao Islã condenou nesta quinta-feira, 29, a mulher a 15 dias de prisão e ordenou que ela saia do país. Gillian Gibbons é acusada pelas autoridades sudanesas de ofender as crenças religiosas e incitar o ódio por permitir que seus alunos chamassem de Maomé (Mohamed em árabe) um ursinho de pelúcia.

Tudo o que sabemos sobre:
Ursinho MaoméSudão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.