Britânico admite crime de guerra no Iraque

Pelo menos seis iraquianos morreram sob custódia da Grã-Bretanha nos dois primeiros meses da invasão do Iraque, segundo reportagem de ontem do jornal londrino "The Times", que cita o oficial Nicholas Mercer, ex-encarregado de detenção no Iraque. Ele admitiu à Justiça britânica que faltavam militares para cuidar dos prisioneiros de guerra iraquianos. Segundo Mercer, o comando britânico não considerava prioritário esse tipo de serviço, embora o país esteja obrigado pelas Convenções de Genebra a respeitar a vida dos militares inimigos capturados em combate. "Embora a Grã-Bretanha diga levar a sério as obrigações (previstas) nas Convenções de Genebra, essa não é minha experiência", disse ontem o oficial da Marinha britânica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.