Britânico e italiano sequestrados na Nigéria morrem em resgate

Premiê David Cameron afirma que os europeus foram 'assassinados' durante operação de salvamento frustrada

LONDRES, O Estado de S.Paulo

09 de março de 2012 | 03h06

Um britânico e um italiano que tinham sido sequestrados havia quase dez meses no noroeste da Nigéria morreram durante uma operação militar que tinha o objetivo de libertá-los, informou ontem o premiê britânico, David Cameron. Chris McManus e Franco Lamolinara foram "assassinados pelos captores antes de poderem ser resgatados", durante uma ação que envolveu forças britânicas e nigerianas, segundo o primeiro-ministro.

Os europeus foram sequestrados por homens armados em 12 de maio, na casa em que viviam na cidade de Birnin Kebbi. Eles trabalhavam para uma construtora com sede na capital nigeriana, Abuja, em obras do Banco Central da Nigéria, segundo a emissora britânica BBC. Um alemão conseguiu escapar dos sequestradores durante a ação. Um nigeriano que tentou evitar o sequestro foi baleado.

"Os terroristas que mantinham os dois reféns em seu poder ameaçaram tirar a vida deles em um vídeo (postado na internet em agosto, quando os sequestradores se identificaram como membros da Al-Qaeda). Após meses sem saber onde eram mantidos, recebemos informação confiável sobre sua localização. Tínhamos motivos para acreditar que a vida deles estava em perigo iminente", disse Cameron.

O premiê italiano, Mario Monti, afirmou que seu país foi apenas informado da tentativa de resgate, que qualificou como "a última janela de oportunidade para salvar a vida dos reféns". O presidente nigeriano, Goodluck Jonathan, disse que o resgate frustrado ocorreu no Estado de Sokoto e todos os sequestradores, que segundo ele pertencem à milícia islâmica Boko Haram, foram detidos. A família de McManus se disse "devastada" com a notícia, mas agradeceu os esforços para salvar os reféns. / AP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.