Britânico é seqüestrado no Iraque e ninguém nota

Um jornalista britânico ficou seqüestrado no Iraque de 26 a 31 de dezembro sem que ninguém, nem sequer sua família, tivesse consciência disso, explicou o Ministério de Assuntos Exteriores. Phil Sands, um free-lancer que freqüentemente trabalha para o jornal escocês The Scotsman, foi libertado por tropas americanas que o descobriram por acaso em uma casa de Bagdá, durante uma operação de rotina."Podemos confirmar que Phil Sands foi seqüestrado em 26 de dezembro mas não sabíamos, ninguém nos comunicou e os seqüestradores não estabeleceram nenhum tipo de contato", disse hoje um porta-voz do Ministério. A fonte acrescentou que o refém "foi posto em liberdade durante uma operação rotineira dos EUA e deixou o país após um check-up médico".Em declarações a The Scotsman, Sands, conta sua odisséia nas mãos dos criminosos, que o mantiveram cinco dias fechado, com os olhos vendados e sob constante ameaça de morte. Durante seu cativeiro, obrigaram-no a gravar um vídeo pedindo a retirada das tropas da coalizão e a libertação dos presos das prisões iraquianas.No entanto, o repórter não sabia que a filmagem nunca foi divulgada. "Isso é um alívio, saber que meus pais não tiveram que sofrer", declara ao jornal.Após libertá-lo, os soldados americanos o transferiram à representação diplomática do Reino Unido na capital, onde as autoridades o receberam com surpresa: "Que bom que você voltou, embora não soubéssemos que você tinha desaparecido. Feliz ano novo".Quando Sands entrou em contato com sua família, na noite de réveillon, eles não acreditaram. "Meu pai me disse: ´que estranho você ligar´. Quando contei que tinha estado seqüestrado, fez uma pausa e acrescentou: ´vou contar para sua mãe".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.