Reuters
Reuters

Britânico ganha emprego de zelador de ilha paradisíaca

Disputa por vaga faz parte de campanha que oferecia 'melhor emprego do mundo' na Austrália

BBC Brasil, BBC

06 de maio de 2009 | 03h47

Um britânico de 34 anos foi escolhido o novo zelador de uma ilha paradisíaca na Austrália depois de competir com outros 35 mil candidatos. A disputa pela vaga fazia parte de uma campanha para promover a ilha e que oferecia o que foi descrito como o "melhor emprego do mundo".

Ben Southall, que trabalha na arrecadação de fundos para a ONG Petersfield, em Hampshire, na Inglaterra, será o zelador da ilha na costa do Estado de Queensland, na Austrália. No novo emprego, com salário de US$ 110 mil por ano (cerca de R$ 234 mil), Southall terá que viver por seis meses na ilha de Hamilton, localizada em meio à barreira de corais australiana.

O processo de seleção - uma campanha mundial para escolher o novo zelador - foi também uma estratégia de marketing para promover o turismo na Austrália, que vem decaindo com a recessão global. Southall foi escolhido entre 16 finalistas que competiam pela vaga.

O anúncio foi feito em uma cerimônia organizada pelo departamento de turismo de Queensland, com a presença de todos os finalistas, no estilo de programas de TV "realidade". Southall foi parabenizado pelos outros concorrentes depois de ter o nome anunciado. Além do salário, a vaga de zelador é oferecida com uma casa de três quartos na beira da praia, com piscina e um carrinho de golfe.

O emprego ainda exige que Southall "explore as ilhas da barreira de coral, nade, mergulhe com snorkel, fique amigo dos moradores locais e aproveite o clima e estilo de vida da ilha australiana". As autoridades de Queensland receberam fichas de inscrição de candidatos de quase todos os países, com exceção da Coreia do Norte e alguns países africanos.

 

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
Austrália

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.