Tolga Akmen / AFP
Tolga Akmen / AFP

Britânico que empurrou criança do 10º andar de museu pega prisão perpétua

Defesa do condenado argumentou que ele foi diagnosticado com autismo aos 5 anos, o que desenvolveu um transtorno mental que o levou a cometer o crime; vítima sobreviveu com sérias sequelas

Redação, O Estado de S.Paulo

26 de junho de 2020 | 14h58

LONDRES - Jonty Bravery, o britânico que empurrou um menino de 6 anos do 10º andar do museu Tate Modern, em Londres, foi condenado à prisão perpétua, com pelo menos 15 anos de prisão obrigatória, de acordo com o veredito divulgado nesta sexta-feira, 26.

Após vários dias de julgamento, a juíza Maura McGowan, do tribunal de Old Bailey, declarou Bravery culpado por tentativa de assassinato.

No Reino Unido, nas sentenças de prisão perpétua, o juiz especifica um tempo mínimo que o condenado deve passar na prisão antes de poder solicitar a liberdade condicional, embora o tribunal tenha anunciado que isso talvez nunca ocorra no caso de Bravery.

"Passará a maior parte, ou a totalidade, da sua vida enclausurado. É possível que nunca seja liberto", declarou McGowan durante a leitura da sentença.

Durante o julgamento foi explicado como Bravery investigou qual era o edifício mais alto de Londres e, em 4 de agosto de 2019, foi ao arranha-céu The Shard, localizado no distrito financeiro da capital, mas quando percebeu que não tinha dinheiro suficiente para a entrada, foi à Tate Modern, cujo acesso é gratuito.

No 10º piso da galeria, Bravery encontrou a vítima, um menino francês que passava férias com a família. Após ser empurrada, a criança foi resgatada no quinto andar pelos serviços de emergência e sobreviveu, mas sofreu graves lesões que a deixaram em cadeira de rodas e com dificuldades para respirar e falar.

A juíza McGowan destacou na sentença "o medo" do menino e "o horror" que os pais tiveram de suportar devido ao ataque "inimaginável".

Testemunhas declararam que Bravery sorriu depois da agressão. A defesa do condenado argumentou que ele foi diagnosticado com autismo aos 5 anos, o que desenvolveu um transtorno mental que o levou a cometer o crime.

Bravery, que tinha 17 anos quando cometeu o crime, disse após ser preso que "queria aparecer nas notícias para que todos, principalmente os pais, pudessem ver o erro que tinham cometido" por ele não ter sido internado. /EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.