Farage Adrian Dennis / AFP
Farage Adrian Dennis / AFP

Britânico Ukip apresenta programa de governo anti-UE e anti-imigração

Terceiro partido britânico, atrás dos conservadores e dos trabalhistas, o Ukip tem uma taxa de intenção de votos de 14%, distante de sua grande popularidade registrada no ano passado, e quer tornar-se o partido de articulação do cenário político.

O Estado de S. Paulo

15 de abril de 2015 | 15h49

LONDRES -  O Partido pela Independência do Reino Unido (Ukip, na sigla em inglês), apresentou nesta quarta-feira, 15, sua plataforma eleitoral para as eleições legislativas de maio com duas grandes promessas: a de tirar a Grã-Bretanha da União Europeia e de reduzir drasticamente a imigração. 

Terceiro partido britânico, atrás dos conservadores e dos trabalhistas, o Ukip tem uma taxa de intenção de votos de 14%, distante de sua grande popularidade registrada no ano passado, e quer tornar-se o partido de articulação do cenário político. 


O líder da formação, Nigel Farage, apresentou o manifesto da legenda em Thurrock, uma cidade no subúrbio de Londres, às margens do Tâmisa. 

Entre as principais propostas, o partido diz que pretende tirar o país da União Europeia em dois anos. Pretende ainda aumentar os gastros militares acima dos atuais 2% do PIB, como exigido pela Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan); reduzir em três quartos a ajuda ao desenvolvimento e promover a preferência nacional, com uma moratória de cinco anos contra os estrangeiros não qualificados, assim como uma taxa de entrada de imigrantes limitada e seletiva. 

"Essas políticas sérias e perfeitamente contabilizadas" estão dirigidas aos eleitores "que confiam na Grã-Bretanha", disse ele. 

Faragem também se comprometeu a realizar uma "revolução fiscal em benefício dos pequenos contribuintes", em uma "nação soberana" que irá controlar as suas leis e comércio em um espírito de "boa vizinhança" na Europa.

O partido pretende ainda aumentar seu eleitorado com ajudas àqueles que conquistam uma propriedade privada pela primeira vez e às pequenas e médias empresas.

O objetivo é apresentar-se como um partido pronto para governar, depois de seu grande sucesso no ano passado, quando venceu as eleições europeias.

Fundado em 1993, o UKIP espera negociar em uma posição forte com o Partido Conservador do primeiro-ministro David Cameron, caso conquiste a reeleição, mas sem força suficiente no Parlamento. As pesquisas dão ao partido entre 1 e 5 deputados, de um total de 650. / AFP 

Tudo o que sabemos sobre:
Grã-BretanhaUkip

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.