Britânicos atacados por fogo amigo criticam americanos

A morte de britânicos em incidentes de "fogo amigo" americano no Iraque não irá comprometer os laçosentre os dois principais parceiros da coalizão, garantiu hoje um oficial britânico, apesar de críticas feitas por soldados da Grã-Bretanha às tropas dos EUA.Cinco incidentes de "fogo amigo" - envolvendo ataques de tropas americanas contra britânicas - cobraram tantas vítimas entre os soldados da Grã-Bretanha quanto ações inimigas.A série de incidentes tem causado preocupação na Grã-Bretanha, e o principal porta-voz do primeiro-ministro Tony Blair disse que as mortes são "um grande motivo de tristeza"."Todos os esforços estão sendo feitos para manter as baixas do chamado fogo amigo num mínimo absoluto", disse ele, pedindo anonimato. "Algumas vezes numa batalha isso ocorre e é obviamente motivo de grande tristeza".O porta-voz militar britânico coronel Chris Vernon garantiu que os incidentes não irão prejudicar as relações entre as duas forças."É lamentável, e posso entender a perturbação" causada na Grã-Bretanha, afirmou o coronel Vernon à BBC. "O fato de ser casos de americanos contra britânicos causa fraturas entre nós? Não, certamente que não".Entretanto, soldados britânicos que afirmam que um avião "arrasa tanque" A-10 americano disparou contra seus veículos blindados na sexta-feira no sul do Iraque - matando um de seus comandantes - acusaram o piloto de comportamento irresponsável."Ele não teve consideração nenhuma com a vida humana", afirmou o comandante de um dos veículos atacado, Steven Gerrard. "Acredito que ele era um cáuboi".O comandante Matty Hull morreu no incidente nas proximidades de Basra, que oficiais britânicos investigam como caso de "fogo amigo".Gerrard, um dos quatro soldados feridos no ataque, disse que não podia entender como um A-10 pode ter confundido veículos britânicos com alvos inimigos."Podemos identificar um veículo amigo a 1.500 metros", explicou Gerrard. "Você tem um A-10 com tecnologia avançada e... não consegue identificar se um tanque é amigo ou inimigo. Isso é ridículo"."Posso comandar meu veículo. Posso evitar que ele seja atacado", afirmou. "Mas não fui treinado para ficar olhando para trás para ver se um americano está atirando contra mim"."Para ser honesto, acho que eles são apenas ignorantes", disse o soldado Chris Finney, outro sobrevivente do incidente. "Não sei se eles não foram treinados ou são apenas gatilhos rápidos". Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.