Britânicos atacam, mas não avançam em Basra

As tropas britânicas mantiveram hoje apressão sobre as forças iraquianas em Basra, sitiada há mais de uma semana, mas o governo do Iraque continua controlando firmemente essa estratégica cidade, a segunda maior do país (1,5milhão de habitantes). Os britânicos tocaram tiros com membros das milícias do partido governista Baath e com combatentes que não fazem parte do Exército regular. Tanques da coalizão controlavam estradas ao redor da cidade, mas não penetraram na cidade.Um soldado britânico foi morto e vários feridos em confrontos na região de Basra, informou um porta-voz das forças da Grã-Bretanha. Os militares britânicos disseram ter matado 30combatentes iraquianos e capturado igual número. "Nada mudou de fato em Basra. O governo mantém pleno controle da cidade. Eles ainda a administram completamente", comentou ummorador. "O povo está vendo isto como uma ocupação. Se o governo nos der armas, lutaremos contra os norte-americanos e os britânicos."Outros moradores contaram que a vida segue normal em Basra e alguns restaurantes continuam abertos. "Às vezes é difícil para os funcionários públicos manterem suas atividades por causa dobombardeio, mas, fora isso, o Estado controla a cidade. Basra está estável", disse um residente que apenas se identificou como Muhammad. Mas há escassez de água e o preço de produtos básicos subiu vertiginosamente.Basra está sendo bombardeada pela aviação anglo-americana desde o início da guerra, há 12 dias. A morte de cerca de 200 membros do Baath num bombardeio no sábado, segundo militaresnorte-americanos, e a prisão de um general e a morte de um coronel iraquiano hoje, segundo militares britânicos, não alterou o quadro. Os ataques parecem apenas ter enfurecido oscivis. Moradores disseram que depois do ataque à reunião do Partido Baath, seus membros retomaram as atividades em outros locais.A situação é oposta à da 1ª Guerra do Golfo, em 1991, quando a população xiita da cidade se rebelou contra Saddam Hussein. O levante foi brutalmente sufocado e as forças ocidentais, quehaviam acabado de expulsar o Exército iraquiano do Kuwait, não acudiram para ajudar os revoltosos. Hoje, os moradores desconfiam das forças da coalizão. Veja o especial :

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.