Britânicos criticam ação das forças americanas

Um comandante britânico no sul do Afeganistão disse ter pedido recentemente às Forças Especiais dos EUA que deixassem a área por causa do elevado número de mortes de civis que elas têm provocado, informou ontem The New York Times. Outros oficiais britânicos na Província de Helmand, citados pelo jornal sob condição de anonimato, criticaram as Forças Especiais dos EUA por causarem a maioria das mortes e ferimentos entre civis na área.Eles também manifestaram preocupação de que o amplo uso de ofensivas aéreas pelos americanos possa fazer com que a população se volte contra a presença de forças estrangeiras, em meio à tentativa das tropas britânicas de solidificar suas recentes conquistas frente ao Taleban. ''''Todos estão preocupados com a morte de civis'''', disse o comandante britânico.Um porta-voz militar dos EUA e uma porta-voz da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) negaram que o pedido de retirada das forças americanas tenha sido feito, mesmo informalmente. ''''As forças da Otan não sabem de nada sobre tal pedido'''', disse a porta-voz da aliança, Carmen Romero. Segundo ela, a Força de Assistência e Segurança Internacional no Afeganistão (Isaf), liderada pela Otan, adotou medidas para reduzir o número de mortes de civis e recebeu informações de que as tropas lideradas pelos EUA fizeram o mesmo.O ministro britânico da Defesa, Des Browne, disse a repórteres em Cabul que o comandante citado manifestou uma visão pessoal. ''''Essa não é a visão do comandante da Força-Tarefa Helmand, de nosso governo, dos americanos e da aliança'''', disse, tentando reduzir a tensão. ''''Essas coisas podem ser ditas no calor da batalha.''''Apesar dos desmentidos, o episódio ressalta as diferenças de opinião entre a Otan e as forças militares dos EUA no Afeganistão sobre as táticas usadas no combate ao Taleban e as preocupações entre os soldados sobre as conseqüências do alto número de civis que estão sendo mortos nos combates.É difícil precisar um número exato de civis mortos, mas levantamentos confiáveis indicam que, este ano, mais de 300 civis afegãos foram mortos apenas em Helmand, a maioria nas operações militares americanas e afegãs. O grande número de civis mortos tem causado intensos protestos da população e duras críticas por parte do governo do presidente afegão, Hamid Karzai.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.