Britânicos diagnosticados com câncer após receber rins de paciente doente

Doadora tinha tipo raro da doença, que só foi descoberto após transplantes serem realizados.

BBC Brasil, BBC

22 de março de 2011 | 09h54

Robert Law está fazendo quimioterapia e cogita ir à Justiça

Dois britânicos contraíram um tipo raro de câncer depois de passarem por transplantes de rins recebidos de um mesmo doador.

Robert Law, 59 anos, e Gillian Smart, 47, receberam os órgãos no Hospital Real de Liverpool em 26 de novembro do ano passado. A doadora, uma mulher de 56 anos, havia supostamente morrido de hemorragia cerebral.

No entanto, uma autópsia realizada depois que os transplantes foram feitos revelou que a doadora sofria de linfoma intravascular de células B, um tipo raro e bastante agressivo de câncer.

Law e Smart já foram diagnosticados com a doença e estão passando por quimioterapia. Uma investigação sobre o caso está sendo realizada pelo Serviço Nacional de Saúde (NHS, sigla em inglês) e pela fundação que administra o Hospital Real de Liverpool.

Ambos os pacientes querem saber por que a doença não foi descoberta antes dos transplantes, e cogitam ir à Justiça. Tanto Law quanto Smart tinham a opção de receber rins de seus irmãos, mas foram convencidos a aceitar os órgãos da doadora com câncer.

"Sendo um paciente renal, você aceita a morte muito rapidamente. Você vê muita morte quando faz hemodiálise", disse Smart à BBC. "Eu não esperava ter de aceitar uma morte causada por câncer. Este é um câncer bastante sério e difícil de combater".

"Eu achei que deveria ir até o fim disto em nome de qualquer pessoa na mesma posição, porque existem 10 mil pessoas por ano (no Reino Unido) que esperam por transplantes", disse Law à BBC.

"Eu acho que elas devem saber que quaisquer órgãos que elas recebam são adequados e que elas não vão ser infectadas por câncer ou qualquer outra doença", afirmou o paciente.

Desconhecimento

"Quando os rins foram transplantados, a equipe cirúrgica não tinha ideia de que o doador poderia ter câncer", afirmou o diretor médico do Hospital Real de Liverpool, Peter Williams.

"Este é um momento muito difícil e angustiante para Rob e Gillian, e nós continuamos a oferecer total apoio, cuidado e tratamento a eles", disse.

O diretor do setor de Sangue e Transplantes do NHS, James Neuberger, afirma que a transferência de males para receptores de órgãos é muito rara, e que a probabilidade de isto ocorrer é maior quando os doadores são mais velhos.

Neuberger admitiu que a escala deste problema no sistema de saúde britânico ainda é desconhecida, mas completou: "Transplantes não são livres de risco. Estes órgãos são de segunda mão".BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.