EFE/HAYOUNG JEON
EFE/HAYOUNG JEON

Britânicos expatriados relatam ‘choque’ e ‘desolação’ com Brexit

Questões como vistos de trabalho, aposentadoria e sistema de saúde afetarão comunidade que vive em países da Europa

Andrei Netto, CORRESPONDENTE / PARIS

25 Junho 2016 | 05h00

A vida dos mais de 171 mil britânicos que vivem na França vai mudar quando a saída do Reino Unido da União Europeia for confirmada, em um prazo que pode levar de dois a cinco anos.

 

Questões como aposentadoria, sistema de saúde, vistos, vistos de trabalho tendem a ser afetadas. Mas nada disso parece ser a prioridade de ingleses, escoceses, irlandeses e galeses expatriados. Para eles, a grande questão ontem foi a surpresa, o choque e a desolação provocada pelo Brexit.

Nos dias que antecederam o referendo, a tensão era clara em razão das pesquisas de opinião que indicavam a liderança do campo eurocético. Na madrugada de ontem, o pesadelo dos expatriados radicados no exterior se confirmou. 

Radicado em Bordeaux, onde produz vinhos, Gavin Quiney estava indignado com o resultado. “É um desastre”, resumiu, arriscando uma explicação para a vitória do Brexit: “Essa questão nunca deveria ter sido colocada em um referendo porque pessoas comuns estão com raiva da elite política”.

Com humor tipicamente britânico, Christopher Chantrey, presidente do British Community Committee, brincou com a culinária para lamentar a forma surpreendente como o Brexit aconteceu. “Ainda não sabemos com que molho nós seremos devorados”, lamentou, antevendo um momento de turbulência para seu país.

Presidente da Câmara de Comércio Franco-Britânica em Paris, Olivier Campenon vê muita incerteza na vida dos britânicos, até mesmo para os expatriados na Europa. “Houve muitos cenários destacados na campanha, mas a verdade é que nós realmente não sabemos o que vai ocorrer, exceto pelo fato de que encararemos uma Europa que será diferente daqui para a frente”, entende Campenon, cuja atividade será diretamente implicada pela saída do Reino Unido do mercado comum, livre de barreiras alfandegárias. “Com Brexit ou sem, vamos ter de levar nosso trabalho adiante na Câmara de Comércio.”

Como europeus estão em Londres e no Reino Unido, britânicos se espalham pela Europa. Além daqueles radicados na França, há grandes comunidades britânicas na Espanha, com 319 mil, ou na Alemanha, com 100 mil pessoas.

Mais conteúdo sobre:
BrexitUEReino Unido

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.