Britânicos investigam financiamento de ataque por paquistaneses

Uma equipe britânica chegou a Islamabadpara verificar se as duas organizações islâmicas paquistanesas que arrecadaram dinheiro para as vítimas do terremoto que atingiu o Paquistão no ano passado financiaram o frustrado plano contra aviões que voariam para os EUA, informaram nesta segunda-feira à Efe fontes diplomáticas. As autoridades britânicas estão fazendo enormes esforços para capturar todos os paquistaneses que supostamente estão relacionados com o financiamento do citado atentado frustrado. As agências de inteligência britânicas suspeitam de duasorganizações humanitárias paquistanesas relacionadas com asorganizações terroristas Jaish-e-Muhammad (JeM) e Jamaatul Furqaan, em relação ao pagamento do citado plano. As duas organizações humanitárias, Al Rasheed Truste e Al Akhtar Truste foram proibidas pelo Departamento de Estado americano em 2004 e suas contas foram congeladas no Paquistão sob a acusação de estarem relacionadas com a Al-Qaeda. Apesar de terem sido declaradas centros de apoio ao terrorismo pelos EUA, as organizações, que têm base na cidade portuária paquistanesa de Karachi, usaram o terremoto ocorrido no ano passado na zona da Caxemira controlada pelo Paquistão, para arrecadar milhões de rupias que empregaram para financiar o ataque frustrado, segundo afirmam fontes do Ministério do Interior. A equipe britânica de seis pessoas pediu ao Governo paquistanês os documentos de auditoria das duas organizações para esclarecer em que gastaram o dinheiro. Fontes diplomáticas de Islamabad informaram que os britânicos também desejam obter informações sobre algumas duvidosas transações financeiras realizadas entre uma organização humanitária islâmica inglesa e duas organizações islâmicas no Paquistão. Supostamente, a Al Rashid Truste e a Al Akhtar Truste receberam da ONG inglesa Human Aid US$ 10milhões cada. Aparentemente, a ONG transferiu US$ 20 milhões do Reino Unido a uma filial do Metropolitan Bank em Quetta, Paquistão, em janeiro de 2006.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.