Britânicos querem que suas tropas saiam do Iraque

A maioria dos britânicos quer que suastropas saiam do Iraque o mais cedo possível, até mesmo este ano, ainda que não tenham cumprido a sua missão. Este é o resultado de duas pesquisas publicadas pelos jornais "The Guardian" e "The Independent". As enquetes aumentam a pressãosobre o governo de Tony Blair para mudar os rumos da sua política externa. Para 72% dos entrevistados pelo "The Independent", é impossível ganhar a Guerra do Iraque. Eles questionaram a sensatez política de Blair no seu apoio ao presidente dos Estados Unidos, George W. Bush. Além disso, 62% querem que as tropas abandonem o Iraque na primeira ocasião possível, mesmo sem conseguir estabilizar o país. Ao mesmo tempo, 72% acreditam que o Iraque cairá numa guerra civil logo que as tropas da coalizão abandonarem seu território. Segundo a pesquisa publicada pelo "The Guardian", 61% dos eleitores querem que os militares do Reino Unido saiam do Iraque ainda este ano, mesmo sem ter completado a sua missão e apesar dos pedidos dos EUA. Apenas 30% dos cidadãos apóiam Blair na sua insistência em manter as tropas no país árabe pelo tempo que for necessário. A segunda pesquisa diz que 45% desejam a saída imediata dos militares do Reino Unido. Outros 16% estão dispostos a esperar apenas até o fim do ano.Na segunda-feira, o vice-primeiro-ministro iraquiano, Barham Saleh, comentou em Londres sua preocupação com o pessimismo de britânicos eamericanos. Ele pediu aos dois países que não deixem o Iraque de ´mãos abanando´. O governo de Tony Blair insiste que não há uma data-limite para a permanência das tropas britânicas no país. Mas o ministro da Defesa,Des Browne, disse no domingo que as Forças Armadas iraquianas estariam em condições de assumir as tarefas das britânicas daqui aum ano. O líder do Partido Liberal Democrata, na oposição, Menzies Cambpell, afirmou que a estratégia dos EUA e do Reino Unido no Iraque "caiu por terra" e reivindicou um debate parlamentar para decidir se as tropas britânicas devem ou não sair do país. Dezenove deputados assinaram uma moção multipartidária que exige uma estratégia de saída do Iraque, que não existe por enquanto, segundo John McDonnell, da esquerda parlamentar trabalhista. "Tony Blair vive em outro mundo", queixou-se o parlamentar, segundo o qual a política só mudará com um novo primeiro-ministro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.