Britânicos resgatados relatam saques em acampamento

Aviões militares britânicos evacuaram cerca de 150 trabalhadores do deserto líbio neste sábado.

BBC Brasil, BBC

26 de fevereiro de 2011 | 16h57

Grã-Bretanha mobilizou aparatos militares para resgatar cidadãos

O secretário de Defesa da Grã-Bretanha, Liam Fox, disse neste sábado que dois aviões militares britânicos resgataram cerca de 150 trabalhadores do deserto líbio.

As aeronaves, que carregavam britânicos e cidadãos de outras nacionalidades, já pousaram na ilha de Malta, no Mediterrâneo.

Paralelamente, o último voo fretado pelo governo britânico para resgatar seus cidadãos na Líbia já deixou a capital, Trípoli, e a embaixada britânica anunciou a suspensão de suas atividades.

No entanto, estima-se que cerca de 300 britânicos ainda estejam em acampamentos no deserto da Líbia, enquanto os protestos contra o regime de Muamar Khadafi prosseguem.

"Posso confirmar que dois aviões RAF C130 Hercules evacuaram cerca de 150 civis de áreas desérticas ao sul de Benghazi (segunda maior cidade da Líbia)", disse Fox.

Segundo o secretário, uma das aeronaves voltou a Benghazi para resgatar mais pessoas, e outros aparatos militares foram mobilizados para apoiar a operação de resgate de civis na Líbia.

O repórter de segurança da BBC Frank Gardner classificou a operação de "extremamente complexa" e disse que ela levou dias para ser planejada.

"Não foram só funcionários de petrolíferas num acampamento. Eles tiveram que lidar com várias locações diferentes e várias pessoas altamente armadas."

Um comunicado da chancelaria britânica diz que os aviões foram recebidos em Valeta, a capital de Malta, por uma equipe de diplomatas e pela Cruz Vermelha

Segundo o órgão, os passageiros receberiam comida e água e teriam assistência consular no aeroporto. Em seguida, seriam levados a hotéis, onde pernoitariam. Eles só voltarão à Grã-Bretanha no domingo ou na segunda-feira, num voo fretado.

Saques

O britânico Alan Burnett, que deixou Benghazi num navio e chegou ao aeroporto de Gatwick, em Londres, disse ter passado por grandes dificuldades. "Nosso acampamento foi pilhado por uma gangue." Segundo ele, o grupo levou todos os objetos de valor que encontraram.

"Você não podia discutir com cinco ou seis pessoas com machados. Não vou criticar o governo (britânico), eles podem ter demorado, mas a resposta ao que houve foi excelente."

Paul Ellis, um engenheiro, diz que o acampamento em que vivia foi saqueado "e tudo que tinha qualquer valor foi levado, como laptops e telefones. Tive sorte que não levaram o meu".

"Uma noite, grupos de jovens líbios chegaram com facas. Fomos a um prédio, e uma senhora nos protegeu. A cada momento que eles tentavam arrombar a porta, ela respondia, e eles fugiam, provavelmente por motivos religiosos", diz Ellis.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.