Brown adverte Karzai sobre possível perda de apoio

Premiê britânico insiste que Reino Unido não sairá do Afeganistão, mas pede esforço contra corrupção no país

estadao.com.br,

06 Novembro 2009 | 09h11

O primeiro-ministro da Grã-Bretanha, Gordon Brown, advertiu nesta sexta-feira, 6, que o Ocidente poderia retirar seu apoio ao presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, caso ele não consiga atender às expectativas da comunidade internacional durante seu segundo mandato. Em um discurso no qual defendeu a presença militar britânica no Afeganistão, apesar da perda de apoio popular, Brown observou que o governo liderado por Karzai se tornou um "sinônimo da corrupção".

 

O chefe de governo em Londres afirmou ter conversado diversas vezes com Karzai - cuja reeleição foi confirmada no início da semana - no decorrer dos últimos dias e cobrado dele avanços em cinco questões, passando por segurança, boa governança e desenvolvimento econômico. "Se o governo não cumprir esses cinco desafios, ele terá falhado com seu próprio povo e perdido o direito ao apoio internacional", declarou.

 

Brown disse ainda ter pedido a Karzai que crie uma nova lei de combate à corrupção, com uma comissão assessorada por personalidades estrangeiras para investigar casos de suborno, assim como novas regras de transparência. Ele também quer que mais tropas afegãs sejam colocadas na linha de frente da guerra contra a insurgência islâmica no país.

 

Brown insistiu em que o Reino Unido "não pode, não deve e não irá embora" do Afeganistão. Em discurso por conta do alto número de vítimas britânicas no conflito no país, o premiê disse que a ação militar nesse país é a "primeira linha de defesa" contra possíveis ataques terroristas no Reino Unido. Mas reconheceu que sua estratégia não está isenta de "perigos e riscos".

 

Brown advertiu que a rede terrorista Al-Qaeda continua com os complôs para atentar contra o território britânico através do treinamento de terroristas. "Não é fácil, a escolha não é simples. Não há uma estratégia que esteja isenta de perigos ou riscos. Mas essa é a responsabilidade da liderança, do governo e de nossas Forças Armadas. Fazer o que é necessário, mesmo que seja difícil, para manter a segurança da população britânica", disse.

 

Segundo Brown, a melhor maneira de conseguir que as tropas britânicas voltem para casa é através da preparação da Polícia e das Forças Armadas afegãs, para que assumam a segurança do país. "Não abandonaremos a estratégia de preparação, porque é o que distingue um Exército livre de um de ocupação. Não um Exército em oposição à população local afegã, mas um Exército que apoie a população afegã", ressaltou.

Mais conteúdo sobre:
Reino Unido Afeganistão

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.