Brown oferece pacote contra terrorismo para Paquistão

Premiê acusa grupo paquistanês por atentados na Índia e tenta reduzir tensão entre vizinhos

AP e Reuters, Islamabad, O Estadao de S.Paulo

15 de dezembro de 2008 | 00h00

O primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, anunciou ontem a criação de um pacto com o Paquistão para ajudar o país na luta contra o terrorismo. Em visita à região, Brown tentou reduzir a tensão entre o governo paquistanês e o indiano, provocada pelos ataques terroristas de Mumbai (ex-Bombaim) no fim do mês passado. No entanto, o premiê britânico culpou o grupo Lashkar-i-Taiba (Exército dos Puros) pelos atentados na capital financeira da Índia."Nós sabemos que o grupo responsável é o Lashkar-i-Taiba e eles terão de responder por muitas coisas", afirmou Brown que, antes de chegar a Islamabad, passou por Nova Délhi. Lá, ele se reuniu com o primeiro-ministro indiano, Manmohan Singh, e também ofereceu ajuda para aumentar a segurança e o combate ao terrorismo. "Eu disse ao premiê Singh que daremos toda ajuda possível", afirmou Brown. "Vamos trabalhar juntos para tentar resolver o terrorismo e trabalharemos lado a lado na questão da segurança."Segundo Brown, três quartos dos mais sérios planos de atentados terroristas investigados na Grã-Bretanha atualmente têm ligações com a rede Al-Qaeda no Paquistão. Após se reunir com o presidente paquistanês, Asif Ali Zardari, o premiê britânico ofereceu uma ajuda de US$ 8,9 milhões para o Paquistão combater a radicalização por meio da educação. "Essa é a hora de agir e não apenas falar e eu quero ajudar o Paquistão e outros países a acabar com o terrorismo", disse Brown.Ele afirmou que as medidas propostas ajudariam a "quebrar as correntes do terror que ligam as montanhas do Afeganistão e do Paquistão às ruas da Grã-Bretanha".O premiê ainda afirmou que pediu permissão a Singh e Zardari para que a polícia britânica possa interrogar os suspeitos dos atentados de Mumbai que foram presos nos dois países."Acredito que todos nós temos interesse em descobrir o que está por trás dos abusos que ocorreram em Mumbai", disse Brown.Uma grande parte da população da Grã-Bretanha é de origem paquistanesa e as forças de segurança britânicas temem que comunidades muçulmanas no país sirvam como locais de recrutamento para militantes islâmicos.BUSCA DE DIÁLOGOOntem, o Paquistão e a Índia conversaram sobre melhorar suas relações e as duas potências nucleares pareciam procurar um caminho longe da confrontação para solucionar suas desavenças.Zardari reduziu ontem a importância de uma suposta incursão de aeronaves indianas no espaço aéreo do Paquistão no sábado. Singh, por sua vez, disse que espera que as relações com o vizinho se normalizem. Mas o premiê indiano ressaltou que a tensão com Islamabad só melhorará quando o governo paquistanês "deixar de permitir a utilização de seu território como base de ataques terroristas contra a Índia".No sábado, Islamabad afirmou que aviões indianos violaram o espaço aéreo paquistanês em duas regiões - uma perto da Caxemira e outra nas proximidades de Lahore, na província paquistanesa do Punjab. As duas áreas têm grande presença do Lashkar-i-Taiba, que continua negando ter envolvimento com os ataques que deixaram cerca de 180 mortos em Mumbai.Apesar das acusações de Islamabad, a Força Aérea da Índia negou que suas aeronaves tenham cruzado a fronteira com o Paquistão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.