Brown quer reduzir tropas britânicas no Afeganistão

O primeiro-ministro da Grã-Bretanha, Gordon Brown, disse hoje que vai buscar o corte do número de soldados britânicos no Afeganistão, apesar do relatório do principal comandante norte-americano que pede um aumento no número de tropas. Brown disse que espera retirar alguns soldados britânicos tão logo as forças locais afegãs se tornem capazes de cuidar da segurança local.

AE-AP, Agencia Estado

22 de setembro de 2009 | 13h15

O anúncio acontece após a avaliação do general Stanley McChrystal, o mais graduado comandante dos Estados Unidos no Afeganistão, que também atua como comandante da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). Segundo ele, são necessárias mais tropas estrangeiras no país.

"Nosso grande desafio é organizar o Exército afegão", defendeu Brown. "Ele era muito pequeno, mas agora conta com 80 mil homens. E vai atingir a marca de 135 mil homens no ano que vem, então, gradualmente, o Exército afegão pode assumir mais controle sobre suas próprias questões e permitir que nossas forças os treinem e, assim, permitir que nossos soldados voltem na medida em que o Exército afegão cresça".

O jornal britânico ''The Times'' informou nesta terça-feira que o Reino Unido considera a hipótese de enviar mais 1.000 homens em resposta ao relatório de McChrystal. O comandante afirma que sem mais tropas, os Estados Unidos e seus aliados poderiam perder a guerra.

Até o final do ano, os Estados Unidos terão o recorde de 68 mil homens no Afeganistão, que atuam com 38 mil soldados da Otan.

O Reino Unido tem cerca de 9 mil soldados - o segundo maior contingente - que em sua maioria se concentra na província de Helmand, sul afegão. No total, 217 soldados britânicos morreram no Afeganistão desde a invasão liderada pelos Estados Unidos após os ataques de 11 de setembro.

O gabinete de Brown disse que nenhuma decisão foi tomada sobre o envio de mais 1.000 soldados. "Nada foi determinado e nada foi descartado", disse um porta-voz de Brown, que falou em condição de anonimato.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.