Brown vai aos EUA e nega retirada do Iraque

O primeiro-ministro da Grã-Bretanha, Gordon Brown, iniciou ontem sua primeira visita aos Estados Unidos assegurando que não vai abordar nenhum plano de retirada antecipada das tropas britânicas no Iraque com o presidente americano Geroge W. Bush. As pautas, segundo seu porta-voz, seriam o processo de paz no Oriente Médio, o conflito na região de Darfur (Sudão), a independência de Kosovo, Iraque, Afeganistão, Irã, mudanças climáticas e formas de revigorar o comércio global. Houve especulação na imprensa britânica de que Brown poderia se distanciar da política para o Iraque do ex-premiê Tony Blair, a quem substituiu há um mês. Mas o porta-voz de Brown afirmou que os soldados britânicos devem ficar no Iraque até que o Exército iraquiano tenha condições de manter a segurança na região. Ele declarou, contudo, que "precisam ser tomadas decisões" sobre quando o controle será entregue a forças iraquianas. Em comunicado divulgado antes do embarque, Brown rejeitou rumores de esfriamento das relações com Washington. "É um relacionamento fundamentado em valores comuns de liberdade, oportunidade e dignidade dos indivíduos." Após o encontro com Bush em Camp David, Brown segue para Nova York, onde fará um discurso na Organização das Nações Unidas (ONU) e terá audiência com o secretário-geral da organização, Ban Ki-moon.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.