Natacha Pisarenko/AP
Natacha Pisarenko/AP

Buenos Aires aprova lei para garantir 'despedida' a doentes da covid-19

Pacientes terminais poderão ser acompanhados por um familiar entre 18 e 60 anos, sem condições pré-existentes e equipados com kit de biossegurança

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de agosto de 2020 | 17h51

BUENOS AIRES - A cidade de Buenos Aires aprovou nesta quinta-feira, 27, uma lei que garantirá em seu território o "direito à despedida" aos pacientes da covid-19, que frequentemente morrem sozinhos por questões de contaminação. 

Por unanimidade, a Câmara de Buenos Aires aprovou o protocolo que estará válido para o sistema de saúde e que permitirá que um familiar entre 18 e 60 anos acompanhe o paciente em estado terminal. 

"Em grande parte do mundo, o novo coronavírus era definido como a doença da solidão. São muitos os casos de parentes que sentem que seus entes queridos morreram porque se sentiram sozinhos", afirmou o deputado Facundo Del Gaiso, autor do projeto. 

"Os médicos, as enfermeiras podem acompanhar (os pacientes). De verdade, acompanham, passam afeto. Porém, não são as pessoas com quem conviveram toda a vida que os acompanham, e que dão acolhimento aos pacientes em estado terminal. Já são quase 8 mil argentinos que morreram nestas condições, vítimas da covid-19", acrescentou Del Gaiso. 

O protocolo estabelece que o acompanhante do paciente da covid-19 não deve ter doenças pré-existentes que o incluam em grupo de risco, nem ser gestante. 

Os centros de saúde devem fornecer a ele um kit de biossegurança igual ao usado pelos médicos para que ele permaneça com o paciente. Além disso, irão facilitar o acompanhamento psicológico. 

"Procuramos aproximar os pacientes dos seus entes queridos e oferecer os meios necessários para uma despedida digna, sem colocar sua vida em risco", explicou a deputada María Luisa González Estevarena na sessão desta quinta-feira. 

Até agora em Buenos Aires, um hospital e uma clínica privada permitiam o acompanhamento de pacientes em estado terminal com a covid-19. 

Projetos semelhantes ao aprovado por Buenos Aires estão sendo propostos em uma dezena de províncias argentinas. Além disso, o governo publicou recomendações sobre o tema para o sistema de saúde em todo o país. 

A Argentina vive um momento de forte aumento no número de casos e mortes pelo novo coronavírus.  Na quarta-feira, o país registrou o recorde de 10.550 casos e 237 mortos. Com 44 milhões de habitantes, o país tem um total de mais de 370 mil casos e quase 8 mil mortes. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.