Búlgaros protestam contra as medidas de austeridade

Milhares de búlgaros se juntaram a um protesto na frente do Parlamento em Sófia nesta quarta-feira, manifestando descontentamento com as medidas de austeridade que o governo de centro-direita do primeiro-ministro Boiko Borisov pretende adotar em breve. A Bulgária sobreviveu até agora à crise financeira internacional sem a ajuda da União Europeia (UE) graças à sua rígida disciplina fiscal, mas o eleitorado dá sinais de que a paciência está chegando ao limite. Sindicalistas disseram que mais de 20 mil pessoas protestaram. O governo pretende aumentar em um ano a idade da aposentadoria, que atualmente é de 63 anos para os homens e 60 para as mulheres.

AE, Agência Estado

30 de novembro de 2011 | 14h49

Os manifestantes pediram a renúncia do ministro das Finanças, Simeon Dyankov. A oposição, que incentivou os protestos, pede que o governo adote outras medidas, como coibir o contrabando e estimular as pequenas empresas. Embora a situação macroeconômica da Bulgária pareça boa, com um déficit do orçamento de apenas 3,5% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2010, e uma dívida pública de apenas 18% do PIB, o padrão de vida dos búlgaros é um dos mais baixos entre os países da UE. A população de 7,3 milhões de habitantes tem um salário médio mensal de apenas ? 340 (US$ 450). Os aposentados recebem em média uma pensão mensal de ? 150 (US$ 200). Um sindicato de trabalhadores estima que 20% das famílias búlgaras vivem na miséria.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.