'Bunga-bunga bolivariano' cobrará seu preço

Que a Venezuela passa por dificuldades, poucos duvidam. Rico em terras e petróleo, o país amarga um crescimento pífio, rombos nas contas públicas, apagões, panes de infraestrutura, escassez e, ao mesmo tempo, o desperdício de mercadorias básicas.

Mac Margolis, O Estado de S.Paulo

27 de novembro de 2011 | 03h06

Outro dia, operários de Puerto Cabello descobriram toneladas de carne podre em câmaras frigoríficas desligadas por falta de energia - a quarta vez em três anos.

A decomposição vai além. Com a inflação anual beirando os 30%, o governo de Hugo Chávez reagiu como costuma reagir a emergências: fez um decreto. Congelou preços de bens e serviços, provocando sumiço imediato de alimentos. Quem ocultar mercadorias ou remarcar preços terá de responder à Guarda Nacional. Soa familiar? Ninguém falou em prender boi no pasto, mas na república bolivariana o roteiro acidentado da heterodoxia econômica repete-se como uma ópera-bufa.

A desordem é pior do que se pode imaginar. Gustavo Coronel, ex-diretor da PDVSA - petroleira modelo que nas mãos chavistas se tornou perdulária -, deu-se ao trabalho de mastigar os números. Segundo os cálculos, em seus 13 anos, o governo Chávez arrecadou US$1,125 trilhão, quase a metade disso (US$500 bilhões) com a exportação de petróleo. Ao mesmo tempo, gastou US$1,060 trilhão. Como gastou, ninguém sabe direito, pois a auditoria bolivariana é tão opaca quanto desorganizada. A Assembleia Nacional, controlada por Chávez, a cada instante inventa despesas não orçamentárias.

Pior para a PDVSA. A petroleira já foi um exemplo de eficiência e sofisticação tecnológica na indústria do setor. Mas na gestão chavista virou tenda de milagres, vendendo produtos subsidiados, construindo casas populares e bancando a agricultura familiar.

Enquanto sua produção cai ano a ano, a PDVSA é obrigada a mimar os cubanos com petróleo barato e regar o Fundo de Desenvolvimento Nacional (Fonden), que já financiou usinas elétricas na Nicarágua, um estádio esportivo na Líbia, hospitais no Uruguai e fábricas de bicicletas no Irã. Até sobrou um dinheiro para uma burla: a doação de US$100 mil para a limpeza do Rio Hudson, que banha Nova York.

Não admira que o resgate da PDVSA seja uma das bandeiras da oposição venezuelana, que finalmente ensaia ressuscitar. Após anos de dormência, picuinha e manobras desastradas, os partidos rivais estão mais unidos e articulados que nunca. Realizarão eleições primárias inéditas, em que os venezuelanos poderão votar para escolher quem, entre cinco pretendentes da oposição, enfrentará Chávez nas eleições de 2012.

A oportunidade é rara. Silvio Berlusconi, o Al Capone da zona do euro, outro fanfarrão, sobreviveu a inúmeros escândalos de corrupção, mas foi pego pelo desastre fiscal e contábil que protagonizou. Chávez pagará pelo "bunga-bunga bolivariano"? Com brio, ele anuncia que já venceu o câncer revelado meses antes e não tem nenhum plano para se aposentar. Doente, com a popularidade em queda e a economia em farrapos, Chávez está vulnerável. Mas o país já começa a especular sobre um mundo sem ele.   

É CORRESPONDENTE DA REVISTA NEWSWEEK NO BRASIL, COLUNISTA DO ESTADO, EDITA O SITE WWW.BRAZILINFOCUS.COM

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.