Buraco na camada de ozônio atinge recorde de tamanho

O buraco na camada de ozônio alcançou pela segunda vez sua medida máxima de 28 milhões de quilômetros quadrados, informou hoje a ONU através de sua organização de meteorologia. Medições feitas sobre a Antártida mostram que o ozônio diminuiu mais rapidamente neste ano do que nos anos anteriores. Agora, o buraco na camada que protege a Terra dos raios ultra-violeta do Sol está do mesmo tamanho que tinha em setembro de 2000, quando foi registrado pela primeira vez o recorde de 28 milhões de quilômetros quadrados.O buraco pode continuar a crescer ainda mais ou diminuir nas duas próximas semanas, de acordo com a ONU. ?É impossível prever?, disse Michael Proffit, especialista em camada de ozônio da ONU. ?A julgar pelos anos anteriores, ele geralmente continua crescendo por uma ou duas semanas, mas não acho que vai crescer tanto?, disse ele.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.