Burkina Faso pode conceder asilo a Kadafi

Dois dos maiores aliados africanos do governante líbio Muamar Kadafi, Burkina Faso e o Chade, reconheceram nesta quarta-feira o Conselho Nacional de Transição dos insurgentes líbios como legítimo governo da Líbia. Mas ao mesmo tempo o governo de Burkina Faso disse que concederá asilo a Kadafi, se o governante "assim o desejar".

AE, Agência Estado

24 de agosto de 2011 | 17h58

O ministro das Relações Exteriores de Burkina Faso, Djibril Bassole, disse que se Kadafi quiser poderá se asilar no país africano.

O Chade, inimigo de Kadafi na década de 1980 mas que mais tarde virou um aliado do governante, também reconheceu o Conselho Nacional. "O Chade reconhece o Conselho Nacional de Transição como a única autoridade legítima da Líbia", disse o secretário da chancelaria chadiana, Moussa Dago, em N''Djanema.

Dago disse que o governo chadiano pediu ao Conselho Nacional de Transição dos rebeldes líbios que proteja seus cidadãos que ainda estão na Líbia. Pelo menos 74 mil chadianos que viviam no país do Magreb fugiram após o começo da guerra civil em fevereiro.

As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
LíbiaBurkina FasoChadeKadafi

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.