Burkina Faso tem prazo para voltar à constitucionalidade

Emissários internacionais foram ao Burkina Faso para tentar resolver a crise política no país, que está sem dirigentes depois que o presidente, Blaise Compaoré, no cargo há 27 anos, renunciou na semana passada e fugiu para a Costa do Marfim.

Estadão Conteúdo

04 de novembro de 2014 | 16h10

A União Africana, que representa 53 países no continente, deu ao Burkina Faso duas semanas para voltar às regras constitucionais ou enfrentar sanções. Seu enviado, o ex-primeiro-ministro do Togo, reuniu-se com líderes da oposição, como Zephirin Diabre.

O oposicionista indicou que pode haver espaço de manobra no ultimato. "O diálogo político deve permitir levar em consideração a natureza excepcional dessa situação particular", afirmou. "Nós vamos trabalhar para respeitar o prazo, mas se não conseguirmos, eles vão entender."

O representante do secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU) para a África Ocidental, Mohamed Ibn Chambas, reforçou o objetivo da União Africana, dizendo que eles e outros enviados estão trabalhando para "encontrar rapidamente uma solução que seja consistente" com a constituição nacional. Os presidentes da Nigéria, Senegal e Gana devem chegar na quarta-feira para participar de reuniões.

Após as saída de Compaoré, diferentes facções militares e a oposição civil passaram a disputar o controle do país. A ordem foi restaurada na capital, Uagadugu, onde não há presença incomum de policias ou militares nas ruas. No momento, os militares parecem estar no comando e designaram Isaac Yacouba Zida como líder de transição. A oposição renunciou à exigências de que os militares deixassem imediatamente o poder e está propondo negociações para encontrar uma solução. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Burkina FasoUnião Africana

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.