Burrel diz que Diana acreditou em parte da história do pajem

A princesa Diana acreditou na história de que o ex-pajem George Smith foi violentado pelo assessor do príncipe Charles, diz seu ex-mordomo, Paul Burrel, numa matéria publicada hoje pelo tablóide inglês Daily Mirror.Burrel, num artigo assinado, diz que não conhecia a opinião da princesa sobre as outras alegações de Smith ? a principal, a de que ele flagrara Charles na cama com seu assessor Michael Fawcett, numa manhã em que levara chá a seu quarto.?Se alguém houvesse ouvido a princesa, em 1996, quando ela gravou as declarações de George Smith, nada desta confusão precisaria ser esclarecida agora?, diz Burrel, que atualmente está nos Estados Unidos promovendo seu livro sobre Diana.Burrel sustenta que a polícia estava procurando pelas ?fitas sobre o estupro? quando começou uma investigação que levou-o ao tribunal, sob a acusação de haver roubado pertences de Diana. O julgamento terminou um ano depois, quando a rainha Elizabeth II confirmou que Burrel lhe contara que estava com os itens por precaução.Ele assegura, porém, que não sabe onde as fitas com as declarações do ex-pajem estão agora. ?Vale a pena dizer que a princesa acreditou em cada palavra sobre a acusação de estupro?, ele escreveu. ?Mas não seu sua opinião sobre as outras alegações.?O escritório do príncipe Charles confirma que a denúncia de Smith contra Fawcett estava sendo investigada pela polícia em 2001, mas o Serviço Processual da Coroa decidiu não levar o caso ao tribunal.Dois jornais, enquanto isso, pedem o fim das histórias envolvendo a denúncia de Smith em relação ao príncipe Charles.?Todo mundo pode ver que isso é um disparate?, diz o The Daily Telegraph em um editorial.?Deixem Charles em paz?, acrescenta o The Sun, o tablóide de circulação de massa que freqüentemente leva a fama de perseguir histórias sobre escândalos reais.?The Sun não acredita em uma palavra das alegações de Smith. Nem consegue encontrar alguém que acredite?, diz também em editorial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.