Burundi diz ter matado 50 rebeldes em confrontos

O Exército do Burundi disse naquinta-feira ter matado 50 homens da última guerrilha do paíscentro-africano, durante combates nos arredores de Bujumbura, acapital. O ataque ocorre pouco mais de 24 horas depois de líderesdas Forças pela Libertação Nacional (FLN, ligada à etnia hutu)anunciarem sua volta do exílio para implementarem um acordo depaz neste pequeno país cafeicultor. "As Forças pela Libertação Nacional emboscaram nossastropas em patrulha, o Exército então entrou em pesado combatecom os insurgentes [...], e dois soldados também foram mortos",disse um porta-voz militar, o coronel Adolphe Manirakiza. De acordo com ele, houve também quatro soldados feridos, 31rebeldes detidos e muitas armas apreendidas. As FLN disseram que o Exército começou a luta. "É realmentelamentável, no momento em que já estávamos prontos para voltarao Burundi para continuar as negociações com o governo, que oExército tenha decidido intensificar os ataques contra asnossas posições", disse Pasteur Habimana, porta-voz do grupo emDar es Salaam, na vizinha Tanzânia. "Isso prova que o governo e seu Exército escolheram a opçãoda guerra ao invés das negociações de paz", acrescentou. O combate de quarta-feira à noite ocorreu em Kabezi, redutodas FLN 20 quilômetros ao sul de Bujumbura. Desde a retomada daviolência, em abril, já são 103 mortos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.