Burundi e Ruanda ameaçam com invasão do Congo

Os governos de Burundi e Ruanda ameaçam enviar soldados para dentro do território do Congo, a fim de caçar os extremistas da etnia hutu responsáveis pelo massacre em um campo de refugiados mantido pela ONU. Um porta-voz do governo congolês disse que seu país quer resolver a questão, mas que se verá ?obrigado a reagir? se uma força estrangeira cruzar a fronteira.Militares de Burundi acusam soldados do exército do Congo de participar do massacre, que segundo testemunhas foi perpetrado por homens vindos do Congo. As Nações Unidas, por sua vez, disse que estão suspensas as conversações com os rebeldes hutus que reivindicaram o ataque, porque ?parece que não estão dispostos a contribuir com o processo de paz?.Forças das Nações Unidas ajudam agora a garantir a segurança ao longo da fronteira Congo-Burundi. Um porta-voz da ONU pediu que as autoridades de Burundi ?exercitem o autocontrole?. O general Germain Niyoyankana já afirmou que suas tropas estão prontas para entrar no Congo e perseguir os culpados.Guerras entre as etnias hutu e tusti em Ruanda, Congo e Burundi devastam a região há mais de dez anos. Os conflitos incluem o genocídio de 1994 em Ruanda, que deixou 500.000 mortos. Ruanda e Burundi já invadiram o Congo duas vezes para tentar erradicar as milícias hutu. A segunda invasão levou a uma guerra que envolveu seis países e deixou mais de 3 milhões de mortos, a maioria de fome e doenças.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.