Burundi julga onze por morte de albinos

Segundo polícia, mortes podem ter sido provocadas por uso de partes do corpo de albinos em feitiçaria.

BBC Brasil, BBC

20 de maio de 2009 | 05h54

Teve início no Burundi o julgamento de 11 acusados de matar 12 albinos.

Este é o primeiro julgamento no país africano ligado à recente onda local de crimes contra albinos, que causou a morte de mais de 50 pessoas.

Todos os 11 acusados negam envolvimento. Se condenados, eles podem pegar penas de prisão perpétua.

A polícia acredita que partes dos corpos de albinos mortos foram contrabandeadas para fora de Burundi e vendidas na Tanzânia para serem usadas em rituais de feitiçaria.

Curandeiros da região dizem que rituais com partes de corpos de albinos trazem sorte no amor, vida e negócios.

Na Tanzânia, mais de 40 albinos foram mortos recentemente.

Uma associação que defende os direitos dos albinos no Burundi afirma que as autoridades finalmente parecem estar levando a sério os assassinatos, mas que são necessárias mais ações para proteger os albinos - pessoas que sofrem de albinismo, condição marcada pela ausência de melanina, pigmento que dá cor à pele, no organismo.

Pelo menos 200 pessoas foram presas em conexão com o contrabando para a Tanzânia, mas ninguém foi condenado até agora.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
burundifeitiçariatanzâniaalbino

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.